https://www.poetris.com/
 
 
Tic-tac, tic-tac
E o tempo passa,
Corre...voa!
E este grito que ressoa
continua a tolher o meu coração!

Tac, tic-tac, tic...
E ele segue...
Às lágrimas indiferente,
Segue como essa gente
que passa, como que ocupadas
Em fazer nada!

Tic-tac...
Como pará-lo?
Como detê-lo?

E eu continuo sentada
Aguardando
Esperando
Enquanto as mãos frias
da impiedosa saudade
me amarram,
Me abafam o coração...

Minha alma anseia a liberdade
Mas como pode ela ser livre
Sem a sua outra metade?

Por isso aguardo.
Espero.
Ouvindo (Tic-tac)
O tempo.
Vendo-o passar


Poemas originais por Tânia Oliveira (Direitos reservados)

 
Autor
Tânia
Autor
 
Texto
Data
Leituras
3280
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Alemtagus
Publicado: 15/04/2008 16:35  Atualizado: 15/04/2008 16:35
Colaborador
Usuário desde: 24/12/2006
Localidade: Montemor-o-Novo
Mensagens: 2861
 Re: Tempo p/ Tânia
O relógio marca o tempo quando não queremos que ele corra e pára-nos a vida sempre que desejamos algo.

Beijo


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/11/2008 15:53  Atualizado: 22/11/2008 18:24
 Re: Tempo
...

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/11/2008 15:53  Atualizado: 06/11/2008 15:53
 Re: Tempo
O tempo é inexorável: e por vezes nem o seu tic-tac ouvimos.

Um abraço,

DM