https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Reflexão : 

A ESPERANÇA

 
Fito a Esperança que passa na rua…
Triste, rota, desvalida…
Quem me dera aquele tempo de juventude no outeiro
Quando brincávamos com as estrelas e o céu
Era um pedaço do tesouro que guardávamos em nós…
Hoje a Esperança passa por mim na rua…
Triste, roto, desvalido…

Estendo o braço como quem deseja agarrar um fio de malmequer
Preso à terra por uma raiz sensível, fraca, pouco importante…
Minha alma não tem alma! Entre o porão de um navio e outro
Arrasto o que sobra dessa massa plasmática e quântica
Consciente de não saber o que significa, nem se é verdadeiro…

Nesses porões de penumbras e pedaços de quimeras renasço ou ressuscito
Num caixão apodrecido pela ousadia do tempo e dos invertebrados
Ou dos elementos que se conjugam para me libertarem do peso da casa!
Quero o bafio desses porões em forma de salitre nas narinas!
Amarrem-me os pulsos com nó de forca e deixem-me fitar o mundo
Com os olhos de um Cristo arrependido de um dia ter nascido ou morrido
Sem ter escrito em nenhum papiro a história imunda da selvajaria…
Quero o odor a sangue derramado estampado nas minhas narinas como açaime!

O que espero? Acaso devo esperar alguma coisa? Existe alguma coisa a esperar?
Nos espinhos pontiagudos da roseira da vaidade e da inveja
Haverá a réstia obscena de alguma pétala ou resquício dela?
Porque sobra tanto de mim nesta cegueira inútil de ver o mundo
Que passa à minha volta com um cinto apertado à cintura
E uma venda de arame farpado e fios eléctricos para que me afaste?!
O que espero? O átrio de uma capela sem telhado no morro de mim!
As paredes destruídas de uma igreja sem janelas, nem torres, nem sinos, nada…
Nem o mais que a escadaria barroca transforma em ostentação e poder!
Não quero um céu azul na capa de uma revista a falar-me de deus!
O céu é inacessível e o azul é marítimo e o único deus marítimo é Neptuno!
Não… Não quero o azul a maltratar a minha cega íris de ira!

Rasgo o horizonte e retenho na mão uma túlipa…

Sento-me no cimo de um rochedo a apreciar os espelhos partidos
Que numa manifestação invisível me rasgam a carne, violentam os órgãos
Até ficarem uma massa indivisível e pútrida sobre a consciência
Que me leva a cuspir visões deturpadas de tudo o que penso que vejo vendo…
Sei lá aquilo que meus olhos conseguem ver…?!
Não me falem de verdades… Nem mesmo eu quero saber…!
A única verdade é ver-me personagem num livro infantil sem história
A copular com as raízes das figueiras secas pelo sol abrasador
Que aos poucos me mata de tanta ansiedade e desejo de nada…!
Não! Chega de verdades! Chega de loucuras! Chega da minha insanidade!

As luzes não têm asas para voarem comigo nem o vento pés para dançar!
O mar nunca será como eu, nem eu jamais serei o mar!
A ilusão é a especulação de um jacinto num jardim de açucenas… Será?
Sim, prefiro as orquídeas… As orquídeas malcheirosas
Expostas ao desbarato sobre a puída secretária de um tribunal de formigas
Quando os juízes se curvam numa atitude sexual e debochada
À espera que outros poderes lhes confiram as entranhas…! Não!
É claro que prefiro as orquídeas…!

Como vêm, não critico as vossas atitudes banais e mesquinhas.
Não desato aos berros a dizer que sois uns imbecis
Porque lhes falta coragem para mudardes algo no mundo… Não!
Já ultrapassei a fase da crítica que tanto importunava!
Melhor fora não terdes prestado atenção… Quem prestou atenção?
A confirmação da voz que fala é o ouvido que a escuta…
O silêncio é uma mera gaiola com a porta laiser trancada!
O meu grito é apenas o zumbido dum mosquito sobre dejectos!
Podeis dormir descansados… A rede da vossa crueldade impede a aproximação.
Não há poeta que medre no jardim da vossa vontade!

Em tempos acreditei que a Esperança pudesse passar por mim um dia
Lembrar-se das promessas que trocámos num circo de abraços e risos
E como nómadas da realidade partíssemos à aventura de mudar o mundo…
Mas mudar o mundo para o quê? Quem disse que o mundo precisa de mudança?
Já lá vai o tempo do “mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”
Agora basta que mudem os vícios… Os preceitos devem continuar inalteráveis
Como sempre o foram desde os tempos imemoráveis dos esquecidos do tempo.
O que foi ontem deve continuar na perfeição do hoje e do amanhã
Para que as gerações futuras não tenham mais preocupação que viver
Ainda que a estrada de tão percorrida incite apenas a regredir… regredir…
Porque o importante é o movimento…

Tropecei num caco de barro do vaso onde semearam a solidariedade…
Quase caí… Mas levantei-me. Uma multidão de estátuas fitou-me e riu à brava!
Também ri… Ri muito… Sem saber bem porquê… Mas ri…
Quando lhes mostrei a mão cortada e o sangue que pingava viraram as costas…
Quem quer saber? Não é com nenhum deles, é só comigo…
Pois que cada um cuide de si neste auto salvamento à medida das necessidades!
Quem quer saber? Ainda se a poeira astral me afogasse em brilho e luxo…!
Que importância tem para humanidade a estúpida vaidade de dizer ao mundo
Que escrevo o não sei bem o quê a criticar tudo o que me apetece!
Como ficavam os balancés presos às árvores a entreterem incautos humanos?
Quem sou eu para lhes tirar um segundo da vossa tranquila tranquilidade?
Basta que me tire a mim mesmo alguma coisa e me interne num plano astrofísico
Onde, sem saber o que é, possa planar suspenso por uma gravidade nula
Convicto de que descobri a teoria da levitação dos corpos e o ponto zero.

Não sou petulante o suficiente para exigir alguma lágrima na minha morte.
Quem nunca soube viver porque teria de morrer? Que importância tem a morte?
Devemos falar dela apenas quando chega até nós e esquecê-la depois…
O ócio é tudo que precisamos para ser felizes! Uma conta na suíça!
Um chalé, um Ferrari, um poder… Ou simplesmente a sorte milionária
De uns incrédulos ignorantes que viajam sobre tapetes iranianos…
Aladinos dos novos tempos modernos… mas sem inteligência prática!
Lágrimas são dor…! A dor implica algum sentimentos…
Não há tempo para sentimentalismos nesta modernice felicíssima!
Para que inventar superlativos para a dor?

Depois resta mostrar aos outros a única variante possível do amor do passado
Representado na petulância de um peito largo e aberto à luz do sol
E nuns músculos fabricados no único exercício possível no futuro –
O halterofilismo da vaidade! – O sexo!
Machos e fêmeas podem esforçar-se por demonstrar as suas aptidões.
Não precisam amar… O sexo é um sentimento exclusivo e único.
A produção de humanos precisa apenas de um ovo e de um esperma!
Acaso as outras espécies não proliferam? Acaso precisam de amor?
O amor é o sentimento dos derrotados, dos vaidosos, dos necessitados
Daqueles que pensam que a vida só faz sentido quando é partilhada
Como quem partilha um beijo, uma carícia, um sorriso, um sopro no ouvido…
A reprodução não precisa disso! Precisa de química! Precisa de átomos!
As ancas cheias e os peitos inflados marcam apenas a qualidade do ser
Como a cor da tinta da garrafa de aguardente marca a qualidade do álcool
Ou o título pintado nas sacas de estrume determina a função e a composição.

A Esperança passa meio rota, meio nua, e eu não vou com ela…
Levo na mente a imagem de uma fotografia digital com uma série de pixéis
Como réplica da pólvora usada pelas máquinas de antanho!
Não vou com ela porque a minha alma amarrotada não segue ninguém!
Recuso-me a pisar seja que pedras forem! Seja que chão for!
Nenhum céu é suficientemente livre para que voe!
Nenhum mar terrivelmente profundo para que mergulhe!
Não quero os vossos olhos incididos sobre mim!
Não quero a vossa respiração a perturbar o meu ar!
Estamos em lados diferentes da vida e a minha ponte está tombada!
Não tenho espaço e nem o espaço que tendes para mim me serve!
Não sou vosso senhor nem me aceitarei vosso servo!
Nada do que sois, quereis, amais, defendeis, me fascina!
Deixem-me na minha cabana junto ao canavial da infância
A escrever nas nuvens a história de um mundo metafísico e cruel
Onde caiba a humanidade inventada pela minha imaginação mirabolante e diabólica!
Quero inventar um jardim onde caibam todas as flores e árvores
Onde um dia possamos respirar a pureza de um ar de paz e sonho
Produzido à medida da satisfação do ser humano enquanto ser humano!
Quero viver no meu mundo fantasma, ilógico, não cronometrado
Onde é possível ouvir os pássaros, as cigarras e as flores
Contarem cenas cinematográficas de um homem apressado, desinteressado, frívolo
Vistas numa sala de cinema alguns momentos atrás
Muito antes da decadência ter assumido a postura de rainha e governar!

Neste pedaço de lodo para onde me empurraram, quero viver.
Não preciso de nada, porque nunca precisei de nada!
Nem das mãos que não se estenderam… Nem dos olhos que apenas me viram…
Quero ficar aqui sozinho, ruminar a distância que me leva ao sonho
Acreditar que posso ir mais além…
Quero acreditar na utopia das palavras rudes que ferem a ilusão
Quando me fizeram acreditar que a poesia tinha voz… E fui feliz…
Quando me sentei despreocupado na berma do passeio
Atirei com o dedo a rolha metálica de uma bebida qualquer e ela não caiu…
E fui feliz…

A Esperança passa…

De mãos dadas
Não tenho tempo
Para querer mais tempo…!

Visto uma pétala violeta
Sobre a pele incolor
E sinto-me ninfa…
É isso!
Quero ser uma fragrância…
Apenas fragrância…

Dispo as urtigas de sobre a pele e a sarna
Decepa-me os membros de tanto acreditar em tudo
Numa inocência própria da imbecilidade…
“Pensei que as urtigas fossem amigas…!”
Confundia-as com as violetas…
Não são nada! Estão limitadas à condição de si mesmas sem asas nem risos!
Fazem o que podem e o que podem é magoar! Então magoam! Doem…
A mão estendida é falsa! As palavras bafientas! As promessas irónicas!
São urtigas, não são violetas…

E eu, borboleta ou centopeia, não sabia…

Apenas fragrância…


antóniocasado
26-09-10

 
Autor
antóniocasado
 
Texto
Data
Leituras
2793
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
30 pontos
14
0
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/09/2010 01:40  Atualizado: 26/09/2010 01:40
 Re: A ESPERANÇA
Uauuuuuuuuuuuuuu!
Que delirante!
Tu é mesmo um grande poeta!
Encantou-me!

Parabéns!

Bjs

Flor


Enviado por Tópico
JOSÉMANUELBRAZÃO
Publicado: 26/09/2010 02:02  Atualizado: 26/09/2010 02:02
Colaborador
Usuário desde: 02/11/2009
Localidade: Lisboa, PORTUGAL
Mensagens: 7775
 Re: A ESPERANÇA
EXTRAORDINÁRIA A SUA CRIAÇÃO!

Fico feliz por si António.

Abraço do ZÉ

Open in new window


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/09/2010 02:12  Atualizado: 26/09/2010 02:12
 Re: A ESPERANÇA
Sou sincero, nao li o texto na integra, mas a parte que li gostei! Parabens e abracos!


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/09/2010 03:32  Atualizado: 26/09/2010 03:32
 Re: A ESPERANÇA
É claro que prefiro as orquídeas...
e que nos reste a fragrância!

Respeitosos cumprimentos
Assíria


Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 26/09/2010 09:43  Atualizado: 26/09/2010 09:43
Colaborador
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11102
 Re: A ESPERANÇA
António,
Deixaste-nos impregnados da fragância do teu sentir poético.
És livre de o fazer, e soubeste fazê-lo.
Também não tenho tempo a perder, se me faço entender...
Beijo
Nanda


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/09/2010 13:22  Atualizado: 26/09/2010 13:22
 Re: A ESPERANÇA
Um texto recheado da essência de tua alma poética que encanra que o lê!
E não preciso nem dizer que fiquei deslumbrada!

Parabéns caro poeta!
Beijos ternos

Rosa


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/09/2010 00:48  Atualizado: 27/09/2010 00:49
 Re: A ESPERANÇA
Caro Poeta , dizer o quê ? Há momentos , como estes , digo estes porque já li e reli este colossal poema , dizia eu , há momentos em que quer queiramos quer não , são os adjectivos que triunfam !
Em conformidade com o acima expressado , apenas acrescento mais uma palavra :

- Superlativo !

Abraço.