https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Vida a saldo

 
Vendemos tampos…
De cozinha…
Copos de vidro, sacos, talheres…
Migalhas de hoje
Pão de ontem
Homens pobres
Pobres mulheres.
Vendemos triciclos
Parafusos
Molas, brinquedos e detergente.
Futuros incertos, passados tristes…
Vendemos alma, a nossa gente.
Vendemos olhos,
Vendemos lágrimas,
Vendemos sonho,
Vendemos só…
Só de sozinhos,
Ficar sem nada…
Podres quimeras,
Descortesias,
Amores fingidos
Feitos de pó.
Vendemos restos
Restos de nada
Vendemos filmes
Prisioneiros
Vendemos voz
Boca calada
Vendemos nós
Para ficar sós.
Vendemos berlindes
Refrigerantes
Capitais de risco
Beligerantes…
Vendemos hortas
Vendemos terra
Vendemos paz
Compramos guerra.
Vendemos dor
Vendemos culpa
A liberdade…
Filhos da puta…
Vendemos fábricas
Trabalhadores
Compramos fome
E mais cem doutores…
Lambemos feridas
Compramos feiras
Esquecimento
Bebedeiras.
Vendemos tanto
Compramos pouco
Compramos armas
Formamos loucos…
Ficamos céu
Ficamos mar
Desertos de amor
Faros de amar
Ventos de sul
Lajes do norte
Sem lucro humano…
Nascemos mortos!

 
Autor
lapis-lazuli
 
Texto
Data
Leituras
690
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 18/11/2010 23:50  Atualizado: 18/11/2010 23:50
 Re: Vida a saldo
Parabéns, tão verdadeiro...


beijos poeta.