https://www.poetris.com/

 
(1) 2 3 4 »
Offline
lapis-lazuli
O Palma porque sim...minha senhora da solidão
Que venhas cedo… Tenho o amor a gelar ali num canto pró frigorífico. Fui pelas horas em ponta n...
Enviado por lapis-lazuli
em 20/01/2011 22:08:59
Offline
lapis-lazuli
Rosas Ocultas
Perguntei por rosas ao redor de mim… Tudo era peito. Beijei-te nos olhos essas mágoas serenas no ...
Enviado por lapis-lazuli
em 19/01/2011 20:15:44
Offline
lapis-lazuli
O inquebrantável género da roda e dos dias amargos
No artigo1 … Eu tinha uma cidade… Umbigo, básculas no teu corpo Latifúndio. Ou cidade, outra cen...
Enviado por lapis-lazuli
em 16/01/2011 21:11:24
Offline
lapis-lazuli
Evangelho segundo o desejo
Perla celsa, Seta cúpida Protesto de posse e de… Desejo… Oxidar teu ventre Até registar a matriz...
Enviado por lapis-lazuli
em 11/01/2011 23:31:22
Offline
lapis-lazuli
Autoretrato sem dó menor
Tom de tempo temperado em timbre de tal demora em espera. Fulminante instante de pujança marcante...
Enviado por lapis-lazuli
em 09/01/2011 20:43:41
Offline
lapis-lazuli
Desconhecido nome só
Hoje morri nos meus braços… Frugais transeuntes olharam-me o chão sem mim em abraço. Pintado de q...
Enviado por lapis-lazuli
em 06/01/2011 20:11:24
Offline
lapis-lazuli
A talhe de foice
Anda… Anda que não me compras, Com essas camisas pretas, Com essas capitais escusas, Com essas...
Enviado por lapis-lazuli
em 05/01/2011 00:40:55
Offline
lapis-lazuli
Não me sigas o corpo
Não me sigas o corpo, que esse é só um apenas entre a parecença e os baixios na geografia dos pas...
Enviado por lapis-lazuli
em 02/01/2011 20:53:10
Offline
lapis-lazuli
Coisas do firmamento...e do amor
Ponto breve e aponto Luas, empórios, estrelas, Passos perdidos. Dedos em pico Pedaços a vê-las ...
Enviado por lapis-lazuli
em 31/12/2010 01:47:06
Offline
lapis-lazuli
Dona Só
Rendava nos panos graças veias de ternura… Tinha névoas a dias no olhar verde míope. Espairecia...
Enviado por lapis-lazuli
em 28/12/2010 23:35:40
Offline
lapis-lazuli
Génese
Constava assim… Muito silenciosamente. Para que nem sequer vislumbre atrapalha-se um já rumor. ...
Enviado por lapis-lazuli
em 28/12/2010 23:33:33
Offline
lapis-lazuli
Protoplasma
Cidade calada… sepulcral Sangro nas pedras mortas absorto do sopro eterno O teu silêncio catast...
Enviado por lapis-lazuli
em 28/12/2010 23:27:52
Offline
lapis-lazuli
...e de amor á vezes
Pronto Parto Em pranto Partido Para ti Poente Das pontes Que ao longe Te afasta Perdida ...
Enviado por lapis-lazuli
em 28/12/2010 00:42:37
Offline
lapis-lazuli
Literatura Zé Carlos
A análise literária é a extrema-unção da escrita livre. A literatura é uma imagem esbatida de ce...
Enviado por lapis-lazuli
em 28/12/2010 00:37:00
Offline
lapis-lazuli
De carne somos feitos
O Carlinhos sempre foi um gajo esquisito! Desde a sua inclinação para na rapina assegurar um tra...
Enviado por lapis-lazuli
em 28/12/2010 00:31:43
Offline
lapis-lazuli
Camas de Pedra
Espraiei sangue numa mortalha de papiro tingindo… Inscrições de míngua impressas na língua com pr...
Enviado por lapis-lazuli
em 27/12/2010 01:27:17
Offline
lapis-lazuli
Rima do vento errante
Do vento que me és passado em nada te esqueço por mim. Mel que verte chorado saudades em doce de ...
Enviado por lapis-lazuli
em 26/12/2010 00:42:42
Offline
lapis-lazuli
Deslembrança
I Para ti que na inscrição desta letra não tens nome. Presença incógnita dos meus passos op...
Enviado por lapis-lazuli
em 23/12/2010 22:18:39
Offline
lapis-lazuli
Hotel cinco estrelas
Homens longe… Como as arvores que brincam zéfiros na talha durante o sol. As mãos são feitas de...
Enviado por lapis-lazuli
em 23/12/2010 22:10:43
Offline
lapis-lazuli
Corolário de uma lágrima
Há lugares em mim, perdidos no meio da estrada Desertos áridos e finais que me tornam infinito ...
Enviado por lapis-lazuli
em 23/12/2010 01:21:55
(1) 2 3 4 »