https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

O Palma porque sim...minha senhora da solidão

 
Que venhas cedo…

Tenho o amor a gelar ali num canto pró frigorífico.

Fui pelas horas em ponta na demora dos teus andares bailarinos.

Hoje, não sei como dizer, mas cuspi uma mágoa.

Tem o sabor acre dos passos trocados e missivas de adeus nas estações do metro.

Cedo…

Eras tu no átrio da faculdade a passar-me aos olhos estenoses subaórticas hipertróficas idiopáticas, tanto para dizer a cardiopatia estúpida que me fazia o coração idiota e confusão aos olhos unidireccionais.

Tinhas a barafunda física dos meus sentidos em dança, em trança, em bocados que não conhecia senão dos dicionários baratos que trazem a palavra paixão na página quatrocentos e sessenta e dois em letras muito pequenas.

Depois, inventei os depois para te ver depois…

O concerto do Palma em mil novecentos e quando os passos não se trocavam a dar-te lume á porta do Coliseu.

Aparecias em todos os sítios para onde eu olhava.

Cedo…

Acabamos a noite no bairro onde o amor se diz alto a perceber nossos passos em volta…e na volta…

Quando decoramos todos os nomes de rua, quando contamos a um os degraus da Calçada do Duque, quando no Rossio ainda se tiravam bilhetes nas máquinas e se apanhava o comboio das dez para seis, sonhei uma greve geral que parasse os transportes para sempre.

Iríamos então a pé mundo fora, enquanto houvesse estrada para andar, enquanto quiséssemos continuar a dizer, encosta-te a mim.

Que venhas cedo…

Tenho o amor a gelar ali num canto pró frigorífico.

Sinto-me frágil, tão frágil que estava capaz de ir comprar umas garrafas para gelar ali junto do amor.

Mas o centro comercial fechou, Por mais que seja cruel não há ninguém que me ajude a ir atrás dos tempos, ao meu encontro na estrada, ao teu encontro na estrada, á origem do drama, onde nasceu esta balada de um estranho.

Temo que jamais voltarás, lá fora há um lugar no lado errado da noite meu amor…

Ainda há estrelas no teu olhar.

Cedo adivinho, conjecturo, pressagio o nunca…

Lembras-te quando o Joaquim leitão me pediu lume na Atalaia?

Mais tarde vimos o Palma encostado a um pavilhão da cidade internacional com medo que aquilo caísse, ou que ele caísse, ou que o amor, o mundo, o tinto, a cor, o lume, os teus olhos de então…cedo…

O Palma porque sim…

Minha senhora da solidão.

 
Autor
lapis-lazuli
 
Texto
Data
Leituras
1514
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
34 pontos
4
3
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Niafna
Publicado: 20/01/2011 22:20  Atualizado: 20/01/2011 22:20
Participativo
Usuário desde: 07/03/2007
Localidade: Vila das Lajes, Terceira, Açores
Mensagens: 33
 Re: O Palma porque sim...minha senhora da solidão
Está bonito, inovador, com um deambular dum enredo dum romance. :)

Enviado por Tópico
ednarandrade
Publicado: 10/02/2011 19:38  Atualizado: 10/02/2011 19:38
Super Participativo
Usuário desde: 12/11/2010
Localidade: Natal-RN
Mensagens: 131
 Re: O Palma porque sim...minha senhora da solidão
Boa noite*

Beijos*

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/09/2014 04:16  Atualizado: 30/09/2014 04:17
 Re: O Palma porque sim...minha senhora da solidão
«Temo que jamais voltarás, lá fora há um lugar no lado errado da noite meu amor…
Ainda há estrelas no teu olhar.»
que essas estrelas olhem pra e por vc e e que elas dê pra vc todo o amor q seu coração tanto anseia,tanto espera.desculpe por n saber mais o que escrever, é bacana demais o q vc escreveu

Enviado por Tópico
RayNascimento
Publicado: 30/09/2014 04:20  Atualizado: 30/09/2014 05:16
Membro de honra
Usuário desde: 13/03/2012
Localidade: Monte Roraima - Brasil
Mensagens: 6470
 Re: O Palma porque sim...minha senhora da solidão
Poucos quadros
são tão de perfeit'arte
como o que pintas
em forma de poesia
com teu Lápis -lazuli.

Ray Nascimento

Open in new window