https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Infinitas Finitudes...

 
Infinitas Finitudes...

Quando a porta do Amor abriu-se para mim
A luz entrou e eu me agarrei a esta luz
Para poder existir além dela
Um Amor que me fez gigante
Diante da pequenez de meu universo real

Alimentei minha alma com os fios desse Amor
Tecendo meu próprio universo de sonhos
Sentado nos limites desse universo me pus a dormir
Até que o sol da razão me acordou
Com sua habitual e gentil selvageria

A eternidade do Amor é tão frugal, efêmera
A sensação do gozo ampliada num continuum infinito
Vive apenas dentro do coração apaixonado
Um imenso círculo de infinitas finitudes
Onde todo eterno é do tamanho de seu tempo

Senti a paixão e o Amor se extinguirem pouco a pouco
Por quantas vezes estendi as mãos
Na vã tentativa de parar o relógio, estancar o tempo
O coração entre o batente e a porta
Pobre coração! Foi esmagado pela força do inevitável

Quando a porta da Dor abriu-se para mim
As trevas entraram e eu me agarrei a esta escuridão
E passei a existir apenas para ela
Uma Dor que me fez escravo
Diante da pequenez de meu universo real

A eternidade da Dor é tão frugal, efêmera
A sensação do sofrer é ampliada num continuum infinito
Vive apenas dentro de um coração desesperançado
Um imenso círculo de infinitas finitudes
Onde todo eterno é do tamanho de seu tempo

(AlexSimas)

 
Autor
Alexsimas
Autor
 
Texto
Data
Leituras
517
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.