https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

NÊNIA DA MORTE DAS CRENÇAS

 
Tags:  reflexão  
 
  NÊNIA DA MORTE DAS CRENÇAS
 
Hora do ângelus...
Vésper, distante,
no céu tremeluz.
Dobram os sinos
nos campanários
por nossos destinos
tão temerários...
Com eles, em harmonia,
morre a tarde... e para muitos
morre o que é o último dia..

Meu Deus, mas aquele
abutre pousado
no alto da cruz!...

... Hospeda a alma do Tempo
que vem, vencedor, e espreita
a irreverência dos homens
ante o estandarte da luz?

Ei-lo que voa e revoa
e gruda as garras na cruz!
- Por certo que se deleita
a ouvir a oblação funérea
dos sinos a que faz jus...


(Do livro "Estado de espírito")


DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS POR LEI


Imagem do abutre:http://privilegiosdesisifo.blogspot.com/2008_01_01_archive.html
Imagem do campanário: banco de imagens do google (free)


Sergio de Sersank
Visitem meu blog literário "Estado de Espírito"
http://sersank.blogspot.com

 
Autor
Sergio de Sersank
 
Texto
Data
Leituras
969
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 08/03/2011 23:05  Atualizado: 08/03/2011 23:06
 Re: NÊNIA DA MORTE DAS CRENÇAS - p/ poeta SERSANK
olá.
não sou de comentar, mas o teu poema
merece um destaque especial.
um canto triste, sombrio...
e talvez o abutre espreitador rapine além de
um simples corpo... talvez ele busque algo mais:
algo invisível que se vai perdendo, que se vai renegando a segundo plano, que vem à tona
não no agradecimento mas no momento do desespero.

é, amigo, a morte das crenças... até na
indústria da religião e suas filiais... é o fim
do ciclo... é o abutre incitando as almas
esfregando as mãos, ou melhor, as garras.

muito bom poema. assim interpretei.

um abraço do rehgge.

Enviado por Tópico
Sergio de Sersank
Publicado: 09/03/2011 01:43  Atualizado: 09/03/2011 01:43
Super Participativo
Usuário desde: 13/01/2010
Localidade: Londrina-PR BRasil
Mensagens: 159
 Re: NÊNIA DA MORTE DAS CRENÇAS p/ o poeta REGGHE
Prezado Regghe,
Alegra-me saber que gostaste do poema. Também me esquivo, quase sempre, de tecer comentários sobre o que os colegas escrevem por aqui.
A crítica, por mais sucinta, exige uma análise quanto possível demorada e disponho de pouquíssimo tempo para me expressar.
Nota-se, à propósito, que a maioria dos participantes limitam-se, aqui, a “rasgar sedas” do tipo: “gostei”, “ maravilhoso”, “que bonito!” Mas, não exercem a crítica leal, descompromissada, sincera. Isso em nada contribui para o aprimoramento do autor. O comentário fundamentado, mesmo que apontando deficiências de estilo ou erros gramaticiais, a meu ver, contribuem para a efetiva valoração do trabalho apresentado.
Sua análise, embora sucinta, tocou em pontos importantes que estão implícitos no meu poema.
Vivemos um tempo de definição. Nele, as coisas acontecem de forma súbita e muitas vezes alteram substancialmente as coisas a que estávamos habituados.
O fato é que nem todos estamos preparados pra isso.
O poema , embora imperfeitamente, expressa essa iinevitável, e talvez trágica, hora de transição que vive a humanidade.
Desculpe o ter me alongado.
Meu abraço,
Sersank
08mar2011