https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

nove

 
nada. é o muito que valho. não sou
poeta. nem procuro perdão. mato-me
aos poucos, na escrita, quando descubro
que as palavras são lâminas afiadas que
roçam a minha integridade. nada. é tudo
o que me resta. e o poema é nómada. somos.

 
Autor
Nadir.Caetano
 
Texto
Data
Leituras
314
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.