https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Porque

 
Tags:  Sofia de Melo Breyner  
 
Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.


“No Tempo Dividido e Mar Novo”, Edições Salamandra, 1985, p. 79




Sofia de Melo Breyner Andresen
( 06/11/1919 — 02/07/2004)
Autores Clássicos no Luso-Poemas

 
Autor
Sofia de Melo Breyner
 
Texto
Data
Leituras
587
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
4
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/11/2011 23:00  Atualizado: 11/11/2011 23:00
 Re: Porque
Acho muito lindo que se divulgue poetas famosos e uma boa poesia,mas não posso deixar de discordar da forma que está sendo feita,pois não é preciso usurpar o direito do autor,isto é,se passando por ele,isso não traz nada de bom ao meu ver...
Desculpe a sinceridade,mas gosto de falar o que acho.


Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 12/11/2011 01:09  Atualizado: 12/11/2011 01:09
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9285
 Re: Porque
Boa noite Sofia, muitas vezes a irreverência incomoda ao outro, haja vista que há um domínio de massa no qual a maioria de espelha para proceder suas atitudes, Meus parabens pelo seu instigante poema, MJ.

Enviado por Tópico
Nadir.Caetano
Publicado: 12/11/2011 08:25  Atualizado: 12/11/2011 08:25
Super Participativo
Usuário desde: 14/10/2011
Localidade:
Mensagens: 132
 Re: Porque
sofia é uma referência. um amor eterno para os que amam a poesia. e ela é nossa como se pudessemos agarrar o que é de todos e de ninguém.