https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

DOR FINGIDA XXXVII

 
ESTA DOR QUE ME TORTURA SEM PARAR
DECRETANDO O COMEÇO DESTE MEU FIM,
SE APOSSOU DE MIM SÓ PARA ARRANCAR
O QUE HÁ DE MAIS FELIZ DENTRO DE MIM...

FEITO UM BARQUINHO QUEBRADO A NAUFRAGAR
NESTE MAR BRAVIO CHAMADO "SAUDADE",
DESESPERO-ME TENTANDO ANCORAR
N'ALGUM PORTO PLENO DE FELICIDADE.

NO ENTANTO ESTA TUA AUSENCIA ME CONSOME
DANDO FORÇA À ESTA DOR QUE NÃO TEM NOME
E QUE AOS POUCOS DILACERA OS VERSOS MEUS...

DOR DE ANGUSTIA, DE SAUDADE E DE LAMENTO
- DOR QUE UM DIA DISSERAM SER FINGIMENTO
MAS QUE DÓI DESDE QUE DISSESTE..."ADEUS"!

 
Autor
marinhogil
 
Texto
Data
Leituras
851
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.