Poemas : 

Sentinelas do silêncio

 
Em sentido
Hirtas
Imperturbáveis sentinelas
Do silêncio
É por entre pinheiros
Que se escondem
As ruínas
Esquecidas
Do passado ingrato
Que abalou
E ali as deixou...

Destino fatal
Desigual
Da vontade que moveu
Quem ali ergueu
O que agora não passam
De pedras alinhadas
A marcar a estrema
Entre os tempos


Open in new window


*... vivo na renovação dos sentidos, junto da antiguidade das lembranças, em frente das emoções...»

Impulsos

coisa pouca

 
Autor
cleo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
741
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 21/10/2012 23:11  Atualizado: 21/10/2012 23:11
 Re: Sentinelas do silêncio
São como fantasmas fossilizados. Parabéns pelo teu poema.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 21/10/2012 23:19  Atualizado: 21/10/2012 23:19
 Re: Sentinelas do silêncio
Tenho uma grande admiração por ti...de tua capacidade de tornar viva a imagem.Imóveis, escondidas..mas com sabedoria acumulada..aguardando serem revividas...Parabéns..beijos

Enviado por Tópico
cleo
Publicado: 02/11/2012 18:11  Atualizado: 02/11/2012 18:11
Luso de Ouro
Usuário desde: 02/03/2007
Localidade: Queluz
Mensagens: 3857
 Re: Sentinelas do silêncio
Darwin e Correa
Muito e muito obrigado a ambos!