https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Tristeza : 

FUNERAL DO HOMEM DO SÉCULO XXI

 
 


Febre contínua
Que lancina e avassala,

A violência marca
A ferro, a fogo,
Sáfaras e mágoas

A fúlgida retina das almas.

Por um tempo fugaz --- ao ouvir
Quando o sol bater na janela
Do seu quarto, da Legião Urbana ---
Recobrei a confiança na magmática
E magnânima estrela-mor da esperança.

No entanto --- ao terminar
A execução de canção tão altruísta ---
Recebo um banho de água fria,
Dado pela realidade-hipotermia:


Vagas de homicídio sádico, propina,
Egoísmo, perfídia e injustiça
Asfixiam a respiração dos dias. Auschwitz da Poesia!

Sentindo que a impotência
Está na iminência de me dar
Xeque-mate na partida da vida,

Rendo-me á opera do silêncio
Sem mais delongas, iras
Ou borbulho de elegias.

JESSÉ BARBOSA DE OLIVEIRA


ATENÇÃO: POEMAS SOB A ÉGIDE DA LEI DOS
DIREITOS AUTORAIS N°9.610/98

 
Autor
jessébarbosa31
 
Texto
Data
Leituras
536
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 01/04/2013 15:10  Atualizado: 01/04/2013 15:10
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9268
 Re: FUNERAL DO HOMEM DO SÉCULO XXI
Bom dia Jesser, morrem pessoas todos os dias, mais tem aquelas especificas que levam consigo seus legados, e isto empobrece o mundo, mais não há o que se possa fazer para mudar este quadro, parabéns pelo seu contundente poema, um grande abraço, MJ.