https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Saudade : 

Doce tempero

 
Tempero
pão nosso de cada dia
que a mãe coze no forno
com esmero...
porque tudo se perdeu,
menos a hora de saciar
a fome na saudade.

hora que funde nas entranhas
saudades tamanhas,
realidade perdida
doutro tempo
doutro espaço
que ainda respiro, que ainda abraço

respiro o cheiro da terra
ouço as vozes nas ruas desertas
olho a mesma lua crescente
o mesmo sol ardente
as janelas abertas
a mesma sombra no chão deitada
a menina desajeitada
o mesmo chão fecundo
e ali é o meu mundo.

fecho a porta à chave
à saudade
e parto num vôo de ave
sonho...sonho... invento a fantasia
esqueço as rugas que me sulcam
o rosto...e,
enfrento mais um dia,
caminhos onde me cruzo
com a realidade.

natalia nuno
rosafogo


Na plenitude da felicidade, cada dia é uma vida inteira.
Johann Wolfgang Von Goethe



 
Autor
rosafogo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1045
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
6
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
carolcarolina
Publicado: 16/04/2013 19:22  Atualizado: 16/04/2013 19:22
Colaborador
Usuário desde: 24/01/2010
Localidade: RS/Brasil
Mensagens: 9297
 Re: Doce tempero
Amiga Poetisa
Natalia


As vezes queremos fechar a porta da saudade mas ela sempre foge por uma frestinha...belo e nostálgico...mas com a tua incomparável inspiração...parabéns amiga e obrigada por partilhares a tua linda nostalgia
Bjinhos
Carol


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 16/04/2013 21:43  Atualizado: 16/04/2013 21:43
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16203
 Re: Doce tempero
Poetisa Natalia
Belo e sentido poema!
Parabéns!
Beijos!
Janna


Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 17/04/2013 03:29  Atualizado: 17/04/2013 03:29
Colaborador
Usuário desde: 01/07/2009
Localidade:
Mensagens: 6741
 Re: Doce tempero
Ah, a nostalgia sombra que nos acompanha!...
Identifico-me muito com teus poemas, pelas
lembranças, saudades e doce melancolia que
percebo neles, Natália.
Bj