https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Monsaraz da minha Infância

 
Monsaraz da minha Infância
 
Monsaraz da minha infância, clara estância,
céu azul, verdes campos, negra bruma,
no horizonte desse monte com distância
revejo minha Vida que se esfuma ...

Fica na memória! A Alma alcance-a,
guarde Monsaraz, branca como a espuma
na solidão do velho barco da infância,
porque a amo tanto, mais que mulher alguma!

Foi lá onde nasci, lá me irei a enterrar,
e se vivê-la é um imenso recordar,
recorda-la também é triste sofrer!

Aí Monsaraz dos olhos meus que trago nos sentidos,
devo-te quem sou, quem tenho sido,
da alvorada em que nasci ao meu triste anoitecer!



Ricardo Louro
Monsaraz

Soneto à doce Monsaraz dos olhos meus. À eterna vila da minha infância que no horizonte da Alma Alentejana me viu nascer e crescer entre nardos e quimeras, entre dores e solidões... a Alma afague-a, branquinha como uma rola, que o meu peito pejado de penas a adormece na ternura do tempo que passou.


Ricardo Maria Louro

 
Autor
Ricky
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1307
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Luisa Zacarias
Publicado: 02/09/2013 17:39  Atualizado: 02/09/2013 17:39
Colaborador
Usuário desde: 30/08/2007
Localidade: Evora
Mensagens: 587
 Re: monsaraz da minha infância P/Ricardo
Maravilhoso...
Amei... Ricardo
fiquei sem palavras...
o que dizer a tão maravilhoso poema
dedicado á terra que nos viu nascer!
Ai Monsaraz dos olhos meus que trago nos sentidos

um verso que me deixa muito a pensar!
bjs
Luisa ZacariasOpen in new window