https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Valsa sepulcral

 
Tags:  som    sinos    ossos    rodopiando  
 


Esfuziantes, em trapos rotos de sedas antigas,
bailavam céleres ao sabor da brisa noturna,
sobre vetustas lousas, cruzes e lápides amigas,
ao som de sinos azinavrados, melodia soturna.

Como um casal qualquer, ali rodopiando o par,
a quebrar o silêncio, sons de ossos a intrusar.

Deslizam os dois compartilhando segredos,
conjurando um amor que resistiu à morte;
ossadas alvacentas levantadas dos lajedos
como se ignorassem o que lhes deu a sorte.

Trocando palavras sobre os tempos de outrora,
havia encantos, mas não dançavam como agora

A bailar, tão branca dupla solitária deslizava;
à dama seu cavalheiro cortês, mesuras cometia;
os crânios descarnados amiúde o par colava,
cúmplice olhar emanava chão da orbita vazia.

Executavam a antiga valsa com muito regalo,
embevecidos ambos, até que cantasse o galo

Se noctívago passante mirou por indiscrição,
pelo portal da necrópole através da fresta,
vendo ossos silenciosamente mal tocando o chão,
fixos os olhos arregalados, ante visão funesta.

Arrepio teve, terror mirando tão dançante o casal,
ossos insepultos a bailarem alegres, a valsa sepulcral

 
Autor
ArysGaiovani
 
Texto
Data
Leituras
865
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 28/10/2013 19:11  Atualizado: 28/10/2013 19:11
 Re: Valsa sepulcral
soturnidade bailante. gostei. parabéns.