Poemas : 

Exaltação ao hussardo

 


Na ravina sáfara, desde prisco dilúculo pisando até o arrebol,
nenhum deles se atreve a contrariar o galope dos Andaluzes,
de si garbosos, bridão mordendo, vangloriavam a tralha ao sol,
a não deixar tarefa inacabada já afeitos por findar das luzes.

Das rédeas aos puxões trotam os Ginetes brandindo chicotes,
tesos penachos, corpos firmes empunhando Sabre de Batalha.
Galope febril escusam na carga nata débil clarão de archotes,
torvelim dos seixos lisos, jorrando na ravina, a poeira espalha .

Cerrados dentes, esplendor das almas ansiadas pela refrega,
ao som dos clarins, do pó, ágil sopro do vento, à carga agrega,
fervem como os raios do sol no raso da justa brados marciais

Abrasados restam, cheios ouvidos entram pelo peito, corações
aleives temem na inércia, apenas se detidos perante Baldões;
aos brios, jamais afetarão a frias pedras, posto reles Mortais.



 
Autor
smerdilov
Autor
 
Texto
Data
Leituras
811
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
João Marino Delize
Publicado: 01/12/2013 13:07  Atualizado: 01/12/2013 13:07
Membro de honra
Usuário desde: 29/01/2008
Localidade: Maringá-
Mensagens: 1939
 Re: Exaltação ao hussardo
Se na idade média a Europa tinha os seus hussardos
Cavaleiros destemidos que cortavam tantas milhas
No Brasil, os gaúchos também são homens honrados
Que lutaram em seus cavalos no tempo da Farroupilha

Gostei demais deste soneto.

abraços