https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Modus Operandi (3)

 
À mercê da noite os meus olhos de palha,
estrelas de vidro que nunca se deitam.
E a minha luz que se deixa mover
e os meus passos no chão de azeviche
e o verbo amor que se veste de mim.

Canto a canção de ignorar
se sou a vertigem ou a fotografia,
se minha poesia é de sangue ou de ópio;
se o que me queima é desejo ou pavor.

De nada me vale acordar a palavra
e deixá-la estendida no vão da memória
onde minha boca não pode chegar.

Como quem morde a própria carne
é que escrevo um poema.

 
Autor
Amora
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1333
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
42 pontos
14
6
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Carlos Ricardo
Publicado: 10/11/2014 20:13  Atualizado: 10/11/2014 20:13
Colaborador
Usuário desde: 28/12/2007
Localidade: Penafiel
Mensagens: 2020
 Re: Modus Operandi (3)
Notável! Ler pode ser surpreendente e a poesia tem de ser surpreendente, como esta, Amora, que me baralhou o GPS e me conduziu a uma remota juventude cuja lucidez, dolorosa e assustadora, me esterilizou de quaisquer ilusões. Um beijo.


Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 10/11/2014 20:34  Atualizado: 10/11/2014 20:34
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29955
 Re: Modus Operandi (3)
Noites onde os olhos se palham nos reflexo de uma branda penumbra, que se estende pelas bocas de uma linda vertigem, que os desejos deitam sobre os lábios beijados pela essência do planto amor que se deitam pelos lençóis de corpos movendo-se entre as peles em nosso mananciais.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 10/11/2014 21:39  Atualizado: 10/11/2014 21:39
 Re: Modus Operandi (3)
E escreves maravilhosamente, poesia fresca que se bebe para saciar a alma. bjo, linda demais.


Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 10/11/2014 22:08  Atualizado: 10/11/2014 22:08
Colaborador
Usuário desde: 30/06/2009
Localidade:
Mensagens: 6744
 Re: Modus Operandi (3)
Amora,

Quem escreve com tanto sentimento
a explodir-se em poema como o fazes
é pura poesia in_terna.
bj


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/11/2014 13:04  Atualizado: 11/11/2014 13:04
 Re: Modus Operandi (3)
levas o leitor a sentir o que sentiste enquanto criavas o poema. parabéns.


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/11/2014 14:33  Atualizado: 11/11/2014 14:33
 Re: Modus Operandi (3)
"Como quem morde a própria carne"
Certos textos são forjados assim mesmo, como se estivéssemos nos "rasgando" e, esses são os que mais nos trazem realização (penso assim)

Muito bom


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 12/11/2014 02:02  Atualizado: 12/11/2014 02:02
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17658
 Re: Modus Operandi (3)
eu bem sei que é assim!
morde tudo por onde passa tua pena, sempre inteira.
mas uma observação vem a calhar, pode rir...
já estou rindo! acho que persigo teus títulos... mas é pura
sincronicidade de pele sob/tela, pura desculpa pra dizer que já roubei
esse título, mas neim... o teu tá melhor.
só me resta sentir se vou continuar ou não, nessa sincronicidade.
para tudo!!! para de andar na minha cabeça em modus operandi (3)
devo ser culpada, já assumo até no asilo.
rindo muito, mas é bom rir enquanto te admiro
numa madrugada. beijo