https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

pequena apresentação amorosa

 
Essa que me olha do espelho
tendo minha pele como vestuário;
corajosa em ver-me os avessos,
em entender-me os excessos,
como se controlasse - em meu nome -
o desfecho de todas as coisas.

Essa que pensa por mim
enquanto titubeio,
que me perdoa os delitos pueris
como se tivesse poder
sobre o cavalgar incessante das horas.

Essa que me biparte as dores
para tornar mais suaves
o ocaso e o amanhecer;
que me vê a face mais profunda
e ainda assim me sorri,
que a mim dedica um pensamento doce
quando tudo o mais é silêncio e escuridão.

É essa, amado, a mulher que é tua!

 
Autor
Amora
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1076
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
30 pontos
6
4
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 27/04/2015 22:29  Atualizado: 05/05/2015 21:48
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1934
 Re: pequena apresentação amorosa
Interessante poema. Remete-nos para as personagens que não se identificam na totalidade, ou têm problemas de auto-identificação. Por outro lado tem a ver com o admirável mundo dos poetas que criam personagens e personalidades; semi-pessoano.
No próprio poema acaba-se por admitir que a personagem na primeira pessoa tem uma importante parte de si que não é do amado.

Todos nós temos uma máscara, não é meu doce? Nem todos temos coragem ou maturidade para o admitir (ou pior ainda, saber).

Beijo Amora


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/04/2015 23:51  Atualizado: 27/04/2015 23:51
 Re: pequena apresentação amorosa
*lendo-te como mulher, estremeci.
belíssimo!
talento ímpar sair de 'si' e enxergar-se pontuando-se em versos de extrema sensibilidade.
parabéns!
beijoka*


Enviado por Tópico
Cássio Árvore.
Publicado: 07/05/2015 16:00  Atualizado: 07/05/2015 16:00
Novo Membro
Usuário desde: 26/10/2007
Localidade:
Mensagens: 1
 Re: pequena apresentação amorosa
Belo poema, Amora!
A muito tempo não lia nada seu. Anos, na verdade! Seus poemas sempre me agradam. São sempre tão íntimos e tão impessoais. Abraço!