https://www.poetris.com/
 
 
porque agora os teus olhos qualquer verde
mesmo que Outono ou talvez mais cinzento
agora que o teu nome em qualquer parede
em qualquer ouvido porque talvez o vento

porque talvez eu, só eu os poderia ver assim
(ainda que Outono e o chão amarelecido)
ver em qualquer cor a única que sei em mim
e em qualquer nome um outro nome repetido

porque agora os teus lábios num reclame
qualquer de televisão, e a tua voz então
numa qualquer outra voz que me chame

e agora que os teus olhos em cada mão
teimosamente a dar cor a qualquer desilusão
à espera ,ansiosamente, por outro alguém que os ame.

J.C.

 
Autor
JoséCorreia
 
Texto
Data
Leituras
663
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
2
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 13/01/2015 10:23  Atualizado: 13/01/2015 10:23
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 17760
 Re: 1
Parabéns Poeta


porque talvez eu, só eu os poderia ver assim
(ainda que Outono e o chão amarelecido)
ver em qualquer cor a única que sei em mim
e em qualquer nome um outro nome repetido



Belíssimo soneto!
Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 15/01/2015 03:53  Atualizado: 15/01/2015 03:53
Colaborador
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17658
 Re: 1
vertentes, num crescente maiúsculo.
obrigada. bjs