https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Viagens da tua presença tão presente…

 

Open in new window



Já não existem solidões tão sós como antigamente…
agora, são rodeadas de muita gente
que conhece a nossa roupa de sempre
menos o coração que chora
a verdade ausente
de uma alma incompleta

sem o sentimento
da nossa
tão nossa
complacência ….

A consciência plena que somos
infinito nas entranhas da pele
no único lugar onde as lágrimas
não sagram os olhares
como as letras no papel …
como horizontes nas tardes …


E sobra …
o silêncio
tão denso da tua boca
quando as palavras
chegam
amarrotadas
depois de escritas
na tristeza do momento
que me apetece deixar o mundo
e ir ao teu encontro…
como poema no teu dorso…




 
Autor
Catópode
 
Texto
Data
Leituras
702
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
31 pontos
3
6
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
MatheusBelfort
Publicado: 07/04/2015 03:48  Atualizado: 07/04/2015 03:48
Da casa!
Usuário desde: 06/01/2015
Localidade: Brasil - Rio de Janeiro
Mensagens: 397
 Re: Viagens da tua presença tão presente…
Lindíssima poesia cheia de encantamento e ressentimento. Muito bom,meu amigo!

Grande Abraço!!

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 07/04/2015 14:55  Atualizado: 07/04/2015 14:55
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 17496
 Re: Viagens da tua presença tão presente…
Poeta

Já não existem solidões tão sós como antigamente…
agora, são rodeadas de muita gente
que conhece a nossa roupa de sempre
menos o coração que chora


Belo e sentido! Adorei esse trecho! Sinto como se eu pudesse dar uma prova disso! Tão eu!
Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 08/04/2015 13:11  Atualizado: 08/04/2015 13:11
Luso de Ouro
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - Brasil
Mensagens: 5340
 Re: Viagens da tua presença tão presente…
"A consciência plena que somos
infinito nas entranhas da pele
no único lugar onde as lágrimas
não sagram os olhares
como as letras no papel …
como horizontes nas tardes …"


compenetrada e em êxtase, fico, quando o sangue poético escorre de tuas mãos!


agradeço a partilha!


bjos.