https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

Não estou vendo a hora

 
Não estou vendo a hora
 
Não estou vendo a hora

pra te cobiçar

toda

desfragmentada sem penhora

em laivos embebidos em tantos

vestigios de pujante alegria inventada

qual metáfora desertora


Não estou venho a hora

de te agitar palpitante

cobrar-te excitante

todos os beijos que multiplicámos

eufóricos na soma do amor

construído de empreitada

sem impostos

nem créditos ou câmbios

computados nos implacáveis

débitos per capita

nesta estatística onde

nunca divido meu amor

pois, por ti

caminharei regateando cada

pedaço de tempo profético e implicito


Não estou vendo a hora

de implementar todos meus

sussurros nas coordenadas

transcritas e perscrutadas

na imagem que se faz

poesia incógnita

mesmo quando perco o fôlego

estampado em assustados

reencontros entrelaçados

em promessas sequestradas

no silêncio suspeito dos dias

que morrem disfarçados

esmiuçados até à revelação

de uma vida eterna a todos intimada


Não estou vendo mais a hora

de te renovar promessas

acalentar tuas travessuras

em poesia impressa

no dorso das palavras que

avivo em correrias

em dias de festa afligidos

por tanta terna e intima acalmia


Não estou vendo a hora

de purificar-te o gosto magnifico

onde condimentamos nossos sorrisos

os instintos

desalentos e conceitos

proscritos

na perplexidade desconcertante

onde moram todos os

abraços trajados

com milhões de versos

que acalentam qualquer

virtual distância entre recenseamentos

acordados na monotonia

dos corpos celestiais

em aparatosas explosões

de preciosas sinfonias

crescendo tumultuosas

em arremedos fartos de esperança

em harmonia


Não estou vendo a hora

de transfor minhas preces

em vénias inebriantes

onde sucumbe fiel

e retumbante

tanto amor arquitectado

a dois

vibrantes, livres

à nossa imagem e semelhança

quando desferimos tantos

indivisíveis abraços

e muitos mais

lisonjeiros afectos matreiros

antes de decretarmos qualquer falência

no mar de amor, mais apaziguador

onde repousam desarmadas nossas

infinitas e guerreiras lembranças

FC

 
Autor
Frederico
 
Texto
Data
Leituras
624
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/04/2015 10:58  Atualizado: 17/04/2015 10:58
 Re: Não estou vendo a hora
Bonita escrita!

Gostei!

***Ariel***

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 18/04/2015 07:42  Atualizado: 18/04/2015 07:42
 Re: Não estou vendo a hora
Só resta-me te aplaudir de pé