https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

sonata de fim de tarde

 

Open in new window


nuvens de asas
fogem do horizonte
fazem ninhos
nos olhos
o reflexo

farfalhos e pios
no silencio
úmido tecem refúgio

triste melodia surge
no habitat
que tua ausência acolhe

talvez o que mais se perceba
não seja o fim da tarde
que treme nas cordas
de um violino

são lembranças
que ressoam como
sinos



Nem sempre as palavras que me carregam
contam de mim, e, ainda assim. suportam tudo que levo,
porque sabem do meu gosto de pensar...





 
Autor
MarySSantos
 
Texto
Data
Leituras
1005
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
72 pontos
26
11
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 10/07/2015 19:58  Atualizado: 10/07/2015 19:58
 Re: sonata de fim de tarde
Um canto suave e belo amiga entre versos como se fossem nuvens...

Terno e delirante Mary.
bj

Enviado por Tópico
atizviegas68
Publicado: 11/07/2015 07:33  Atualizado: 11/07/2015 07:33
Colaborador
Usuário desde: 09/08/2014
Localidade: Açores
Mensagens: 1466
 Re: sonata de fim de tarde
Maciez e encanto.

Belo.
Parabéns.


Enviado por Tópico
Eureka
Publicado: 11/07/2015 09:49  Atualizado: 11/07/2015 09:49
Colaborador
Usuário desde: 01/10/2011
Localidade: Lisboa
Mensagens: 4302
 Re: sonata de fim de tarde
Olá Mary,

Muito belo teu poema de saudade onde personificaste em excelência teus versos a nos dar um quadro no por do sol.
Gostei muito
Parabéns

Beijos
Eureka


Enviado por Tópico
pAuLoGaLvAo
Publicado: 11/07/2015 12:25  Atualizado: 11/07/2015 12:25
Colaborador
Usuário desde: 12/12/2011
Localidade: Lagos
Mensagens: 613
 Re: sonata de fim de tarde
Delicadeza de imagens nesta serena Ária. Gostei .


Enviado por Tópico
karolis.br@sapo.pt
Publicado: 11/07/2015 21:37  Atualizado: 11/07/2015 21:37
Da casa!
Usuário desde: 17/04/2010
Localidade: Cascais. Portugal.
Mensagens: 368
 Re: sonata de fim de tarde
Lindo!! Tudo a ver com a bela imagem de avatar!


"parece que tudo
é triste melodia
adentrando no habitat
que tua falta acolhe"

Esta estrofe está um sonho! É poesia mesmo!!

Carlos
Beijos


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/07/2015 22:46  Atualizado: 11/07/2015 22:46
 Re: sonata de fim de tarde
*esse final me tocou sobremaneira...
amo tua escrita!
beijoka*


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 12/07/2015 10:29  Atualizado: 12/07/2015 10:29
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: sonata de fim de tardeP/MarySSantos
Fim de tarde que prenuncia uma noite de estrelas no céu azul de felicidade, muito bonito com uma sonoridade amorosa lindo. Beijinhos Vólena


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 13/07/2015 14:10  Atualizado: 13/07/2015 14:10
 Re: sonata de fim de tarde
O que dizer? É lindooooooo!

Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 29/07/2015 15:19  Atualizado: 29/07/2015 15:19
Luso de Ouro
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - Brasil
Mensagens: 5516
 Re: sonata de fim de tarde
Agradeço a todos pelas gentis presenças e generosos comentários.

bjos.

Mary

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/11/2015 16:33  Atualizado: 26/11/2015 16:33
 Re: sonata de fim de tarde
edgar allan poe / os sinos



1.
Escutai os trenós com sinos:
De prata, os sinos!
Que mundo de tanta alegria sua música anuncia!
E, retinindo, tilintam
No ar glacial nocturno!
Enquanto, em despique, as estrelas,
Salpicando os céus, cintilam
Com cristalino deleite;
Marcam tempo com aprumo
Como uma rúnica rima,
Nas tintibulações do ritmo—propaladas
Dos balidos dos chocalhos
Desses sinos, sinos, sinos:
Desses sinos que repicam seus badalos.

2.
Escutai das bodas os sinos:
De ouro, os sinos!
Que mundo de tanta harmonia em bonança anunciam!
No ar da noite tão fresco
Seu deleite é como um eco!
Notas de ouro se fundindo
Como um coro!
Canto dúctil que flutua
Até à rola que arrulha
Vendo a lua!
Oh, das celas onde se exala
É tremenda a eufonia que se escoa pelas salas!
Como apela!
E interpela
O futuro!—Como fala
Desse transe que impele
Ao balancear cadenciado
Desses sinos, sinos, sinos!
Dos carrilhões afinados,
Sinos, sinos, sinos, sinos:
Desses sinos que tremulam seus trinados!

3.
Escutai o alarme dos sinos:
De bronze, os sinos!
Que conto de tanto pavor sua turbulência ensina!
No ouvido ferido das Trevas,
Vociferando, gritantes,
De susto não podem falar!
Só sabem guinchar, guinchar
Dissonantes.
Num apelo clamoroso ao fogo todo-poderoso...
Numa irada reprimenda contra o fogo revoltoso,
Saltando alto, mais alto,
Com ânsia desesperada
E propósito obstinado:
Agora—ou nunca, alcançar
A face da lua pálida.
Oh, os sinos, sinos, sinos!
Que afligido conto ensinam
De terror!
Com que rugidos, furor,
Derramam o seu horror
No seio do túrgido ar!
Contudo o ouvido bem sabe,
Pelo estrídulo vibrar,
Como o perigo vaza e sobe...
Sim, o ouvido bem distingue
Pelo altercado ruído,
Por esse uivo diferido,
Que o perigo cresce e se extingue,
Pelo aplacar dos sinos ou por seu irado brado...
Desses sinos...
Sinos, sinos, sinos, sinos:
Desses sinos clamorosos com seu clangor destroçado!

4.
Escutai os dobres dos sinos:
De ferro, os sinos!
Que mundo de ideias tão graves invoca sua monódia!
E na noite sem rumor
Estremecemos de pavor
Ao sentido tão dolente desse tom!
Desse som que se decanta
Da ferrugem das gargantas
Tão rangentes.
E as gentes... ah, as gentes
Que vivem nos campanários
Solitárias,
E que dobrando, dobrando,
A monótona canção,
Se orgulham de estar rolando
A laje no coração...
Não são homem nem mulher...
Nem feras são...
São os Ghouls:
E é seu rei quem dobra os sinos,
E que com eles entoa
O Péan que assim ressoa!
E alegre enfuna o peito
Com esse Péan que ecoa!
Dança ao ritmo, e como troa!
E ao ritmo acerta o rumo,
Marca o tempo com aprumo
Como uma rúnica rima,
Ao Péan que assim ressoa
Desses sinos!
Desvairados realejam
Esses sinos, sinos, sinos...
E, redobrados, arquejam,
Regem tempo com aprumo,
E ele enfuna o peito à loa,
Álacre rima de runa
Dos sinos que vibram, ressoam,
Pulsam sinos, sinos, sinos...
Esses sinos tresloucados...
Sinos, sinos, sinos, sinos:
Sinos que rangem e plangem aos finados.



edgar allan poe
tradução de margarida vale de gato



Enviado por Tópico
Betha Mendonça
Publicado: 26/11/2015 21:02  Atualizado: 26/11/2015 21:02
Colaborador
Usuário desde: 30/06/2009
Localidade:
Mensagens: 6744
 Re: sonata de fim de tarde
Belíssimo, Mary!
O fim de tarde tem em mim
tal carga emocional melancólica.
:)**


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 27/11/2015 12:38  Atualizado: 27/11/2015 12:38
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 17760
 Re: sonata de fim de tarde
Parabéns Mary
Belíssimo poema!
Beijos!
Janna


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/11/2015 14:16  Atualizado: 27/11/2015 14:16
 Re: sonata de fim de tarde
Tandem os sinos em suave entardecer, melancólico, elevando o pensamento ao infinito
Lindo!!! Beijo

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 27/11/2015 14:21  Atualizado: 27/11/2015 14:21
 Re: sonata de fim de tarde
Desculpe amiga, leia-se Tange os sinos

Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 29/02/2016 17:58  Atualizado: 29/02/2016 17:58
Colaborador
Usuário desde: 20/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 7605
 Re: sonata de fim de tarde
De boleia nas "nuvens de asas que fogem no horizonte", vim deliciar-me neste campo de lírio onde brotam maravilhosas estrofes, ramificadas em encantadores versos podados pela inspiração da poetisa.

Lindo, amei-parabéns.
Abraço!
upanhaca