https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Solilóquios de minha’lma II

 


Insistia em ponderar minha alma que sofria,
no monólogo que a mim que se referia.

“ - Estás enganado, transverso nesse arrazoado!
Não podes sair pelas veredas da vida,
percorrendo a fio montanhas elevadas,
labutando porfiado desde o sol nascer
como peregrino e perseverante esmoler
ter afeto em esmoladas porções,
mendigando amor aos corações
garimpar carinhos no fundo dos vales.”

“Teu sofrimento ora não transforma,
em que pesa mendaz aguerrida fleima
jamais ira expurgar assim os teus males,
não serás outro por que o peito queima.”

Pertinaz insistia minha alma que sofria,
fixa no monólogo que a mim tudo dizia.

“ - Não me tens depurada de teus antigos vícios
nem se corrigiu com sofrer teus nefandos defeitos.
Desejas novação ilícita, procuras artifícios,
queres desbotar teus censuráveis mal feitos.”

“ - Queres um amor para sufocar a lembrança,
daquela que se foi, rompeu, atirou fora a aliança;
queres mitigar a ausência que tanto dói;
se foste o vilão, queres ser agora o herói ?”

Encerrou ela o que achei que fosse conversa,
mas que somente trazia lembrança perversa.

“ - Não tens o direito de iludir quem a mão estende,
na necessidade ingente de esquecer quem te feriu;
confundir sentimentos, magoar quem só te defende,
para acercar-se de ti talvez regozijo próprio baniu."


De arrebatada figura,
sou altivo, sou forte,
não carrego lutos e mágoas,
até um dia enganei a morte,
na sua faina de colher almas
e renasci.

 
Autor
Warmien
Autor
 
Texto
Data
Leituras
295
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RayNascimento
Publicado: 08/09/2015 15:55  Atualizado: 08/09/2015 15:56
Membro de honra
Usuário desde: 13/03/2012
Localidade: Monte Roraima - Brasil
Mensagens: 6401
 Re: Solilóquios de minha’lma II
Catando migalhas que caem da mesa
Muitas vezes preferimos fazer
Para ver se a dor para de doer
Tentando amar sem magoar
Tentando doar-se para colher
Um pouco de céu das flores
Que se protegem do frio e da solidão
Na aridez que o deserto nos traz
Buscando o oásis na escada
D'onde os degraus que subimos
São composto do chão d'onde
Plantamos a semente da ilusão
Do pensar e do sentir.

Lendo teu texto, no falar consigo mesmo
...me encontrei, assim...

Obgda por partilhar!!!

Levo-o comigo, como favorito.

Ray Nascimento