https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Paixão, divórcio e farrapos

 
obs: em vídeo após o texto

Hoje quase acordei e não te senti ausente.
Meu espírito criara-te na minha mente como uma chama do meu ego que incendeia o sonho.
Um pesadelo de amor cego, um amor que suponho, não vi, mas não nego que o vivi e senti!
Senti que não conquistei o teu coração,devido a um amor já inviril e senil que te balbucia a fala e sufoca a alma quando entregas a outrem o teu corpo febril.
Nesta modorra sofri como tu: Um grande amor, que de tão servil aterroriza, como a facada na alma que não cicatriza com o suor do corpo nú.
Talvez possamos vir a amar uma fisionomia nova mas, entretanto,
sonhamos, ansiamos, inconscientemente, encontrar em nós a prova de que podem amar-nos tanto quanto nós amamos, ainda no presente.
Porém, o vazio impera com ou sem dor e, quase de cabeça erguida, rejeitamos como nos rejeitaram e, outra vez, insatisfeitos na vida ficamos à espera do amor que procuramos.
Mas, talvez um dia, talvez já velhinhos, quando o corpo não sinta mais os carinhos, quando só a memória ainda possa senti-los,
nos encontremos noutro sono profundo. Nos encontremos, talvez sozinhos, já meio-farrapos para o mundoe meio – perdidos na cidade resolvamos juntar o que restar dos nossos trapos.
E se assim não for, e se existir a eternidade, então meu amor,
no outro mundo, sem sonhos, manter-se-a a infelicidade
Porém, se existir reencarnação, como consolação, missão ou prémio, então, meu amor, prostrar-me-ei a pedir para partilhar a gestação e renascer como teu irmão gémeo.
Mas, se perpétuo for apenas o jazigo, que cravem no meu caixão
a tua fotografia que guardo comigo, sempre, sempre no meu coração
Recitado em vídeo :


Não sou poeta mas, quem sabe, um dia escreverei
um texto que (pela persistência e sorte) possa ser lido como poema


 
Autor
Manufernandes
 
Texto
Data
Leituras
600
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
19 pontos
5
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 03/07/2016 18:03  Atualizado: 03/07/2016 18:03
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 15592
 Re: Paixão, divórcio e farrapos
Prosa poética repleta de ternura, encanto e Mansidão. Parabéns pela arte bonita, amigo Manu!

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 03/07/2016 18:48  Atualizado: 03/07/2016 18:48
 Re: Paixão, divórcio e farrapos
Um texto bem conseguido Manu aonde se percebe um vazio, uma desilusão pelo fim de uma relação, ah e a tristeza a dominar o sujeito poetico.
bj

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 04/07/2016 12:30  Atualizado: 04/07/2016 12:30
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29490
 Re: Paixão, divórcio e farrapos
Nos conceitos das vida existem o cotidiano, pois nem tudo são rosas, no jardim da vida existem também os espinhos. Quando o amor acaba fica em nós aquele vazio, tudo é incerto

martisns

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 04/07/2016 13:44  Atualizado: 04/07/2016 13:44
 Re: Paixão, divórcio e farrapos
Belo texto, como sempre com linda declamação
Beleza!!

Enviado por Tópico
Eureka
Publicado: 16/07/2016 11:05  Atualizado: 16/07/2016 11:05
Colaborador
Usuário desde: 02/10/2011
Localidade: Lisboa
Mensagens: 4293
 Re: Paixão, divórcio e farrapos
Ah, esse amor maldito, que teima em permanecer no intímo do inconsciente de quem ama e na ternura de todo o bem querer que um amor pode conter, eu li versado aqui, no rigor de um sentimento puro, e eterno.
Gostei muito Manu, teus versos falaram muito mais do que disseram. Parabéns

Eureka