Sonetos : 

SERVENTIA

 
Tags:  SONETOS 2007  
 
SERVENTIA

Minhas rimas não servem a ninguém
E nunca estarão presas a cadenas.
Não têm algum senhor; nenhum mecenas.
Ignoro até se fazem qualquer bem.

São lumes que não sabem a que vêm
E, ainda que as escreva a duras penas,
De mim para mim têm servido apenas.
Desejo que a vós-outros soem, porém.

Digo-vos d'elas como se de mim:
– "Sede livres do mal que tanto amais!"
Obrigado vos sou, quer não; quer sim...

Talvez julgando-as menos, sirvam mais.
Perfazendo com qu'eu seja, outrossim,
Liberto 'inda que já tarde demais.

Betim – 17 07 2007


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
121
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.