https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

de pura dor

 

a palavra amou
o adjectivo
viril:
e
o decepou
afinal

a arte é sempre
virgem
e
o poema um ritual
depurador


 
Autor
Propoesia
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1955
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Alluconi
Publicado: 09/09/2016 15:12  Atualizado: 09/09/2016 15:12
Da casa!
Usuário desde: 23/08/2016
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 265
 Re: de pura dor
Divino !

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 09/09/2016 18:11  Atualizado: 09/09/2016 18:11
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1593
 Re: de pura dor
Gostei.
Houve engenho ao primeiro separar uma palavra que no poema está a adjectivar um ritual. Sendo segundo o próprio, muitas vezes o adjectivo decepado pela palavra.
Aparece no título com um sentido diferente devido à separação quase silábica da palavra.

Mas não será além de purificante, usando uma palavra menos bela, também um ritual de dor pura?

Obrigado

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 24/11/2017 09:02  Atualizado: 24/11/2017 22:01
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2001
 A dor é purpura
[color=003300][i]


















A dor é purpura
O que me doi é
A imensidão, sei
De cor a tristeza

Não vejo o fim à
Dor nem à culpa
Não creias em mim
A dor nem purpura é

Nem eu o tal "poeta"
Que possas chorar
Se nem conheço
O original a preto

e branco ou vermelho
Sangue e o orvalho
Apenas seca
Quando as folhas

Debotam o chão
De amarelo seco
E isso apenas eu
sei, me doi sê-lo ..

Me doi imenso
A floresta purpura
O silencio e o eco
Não sei donde vem

Mas meu não é,
Nem é o teu ...



















[/i][/color]