https://www.poetris.com/
 
Homenagens : 

Florbela Espanca

 

He hum não querer mais que bem querer;
Camões


II 

Meu Amor, meu Amado, vê... repara: 
Poisa os teus lindos olhos de oiro em mim, 
- Dos meus beijos de amor Deus fez-me avara 
Para nunca os contares até ao fim. 

Meus olhos têm tons de pedra rara, 
- E só para teu bem que os tenho assim - 
E as minhas mãos são fontes de água clara 
A cantar sobre a sede dum jardim. 

Sou triste como a folha ao abandono 
Num parque solitário, pelo Outono, 
Sobre um lago onde vogam nenúfares... 

Deus fez-me atravessar o teu caminho... 
- Que contas dás a Deus indo sozinho, 
Passando junto a mim, sem me encontrares? –


Florbela Espanca 



 
Autor
Juanito
Autor
 
Texto
Data
Leituras
243
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
6
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Semente
Publicado: 03/03/2017 23:26  Atualizado: 03/03/2017 23:26
Colaborador
Usuário desde: 29/08/2009
Localidade: Ribeirão Preto SP Brasil
Mensagens: 8696
 Re: Florbela Espanca/Para Juanito
Ler Florbela Espanca é sempre um deleite, eu diria inspiradora leitura. A poesia dela é de amor de solidão. E de dor. Sempre atual, imortal.

Obrigada Juanito, e parabéns pelo bom gosto!

Bjoss poéticos!


Enviado por Tópico
Maryjun
Publicado: 04/03/2017 02:54  Atualizado: 04/03/2017 02:54
Membro de honra
Usuário desde: 30/01/2014
Localidade: São Paulo
Mensagens: 6505
 Re: Florbela Espanca
Boa noite, Juanito,

Belíssima homenagem.
Merecida, parabéns!

Abraço,
Mary Jun


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 04/03/2017 12:17  Atualizado: 04/03/2017 12:17
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12509
 Re: Florbela Espanca
...a minha poetisa preferida, obrigada!Adorei a ideia!
Abraço VÓLENA

Enviado por Tópico
oceanico
Publicado: 05/03/2017 10:27  Atualizado: 05/03/2017 10:27
Da casa!
Usuário desde: 19/11/2014
Localidade:
Mensagens: 292
 Re: Florbela Espanca
Nesse mar de palavras os sentidos choram