https://www.poetris.com/
Prosas Poéticas : 

TRINTA E UM DE MARÇO

 
Tags:  PROSA LIGEIRA  
 
TRINTA E UM DE MARÇO

Outonece, mas é n'alma que o sinto.

Sim: O dia amanheceu frio e nublado. Exteriormente, outono típico n'esse trópico de altitude em que vivo.

Mas é n'alma que sinto frio, não na pele.

Por dentro, há outonos neblinando o cume da serra...

Paro e vejo os altos e é como se olhasse para dentro de mim. Sou todo névoa vaga esvoançante. Sai-me da boca essa alma alva que se junta à serração.

Eu me evolava, nuvem também.

Inteiriço me despenho, caindo em mim: Envelhecendo, por dentro e por fora, aceito o frio que me faz doer as juntas desgastadas e pensar nas coisas que já foram...

Resigno-me.

Sou todo cansaço e saudade hoje.

Betim - 2017


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
115
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
0
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.