https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Para lá da pele

 
 


Atravesso a fronteira da minha pele
E oriento-me mesmo no abismo
Púrpura profundo das veias em pulsar
Rios de ondulações do ser que respira
Que faz um pacto colorido com as árvores

Permeabilizo-me envolvo-me entre átomos
Abarco o tronco onde a seiva contraria
A gravidade do corpo celeste anil ebúrneo
E num ápice sou folha verde acenando ao vento
Sou o sopro que sustém a planta
O líquido nutriente de que se alimenta
O motor que vibra em sonoridade viva
Como tambores que ecoam na selva da abundância

Ultrapasso a película da minha cútis
Plano por entre alvéolos pulmonares
Que me anunciam a poluição das criaturas
Os vícios as insanidades as loucuras
E de um ato de contrariedade alcanço
Outro ribombar outro espaço
Onde não há crivos nem dentes
Nem cruzes nem espinhos nem garras
Nem malévolas sementes
Nem sangue nem feridas nem balas
Nem matanças nem favos de decadência
Nem ovos de podridão nem crença
Nem mutilações nem doença
Para lá da minha pele
Esvaio-me em partículas de nada
Não quero saber de orientações
Permaneço incólume onde ficar
É provavelmente aí a minha essência
O meu genuíno lugar

Vídeo de José Lorvão
Poema de Maria Oliveira

 
Autor
AnaMariaOliveira
 
Texto
Data
Leituras
279
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 22/05/2017 18:31  Atualizado: 22/05/2017 18:31
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29264
 Re: Para lá da pele
A fertilidade dos momentos se brutam naquele doces momentosd de uma entrega enaltando os anseios de um goatoso desejo