https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

Numa simples folha de papel...

 
Tags:  amor  
 
 
É numa folha de papel
que desenho franjas de saudade
que se misturam como o sal das lágrimas
que o o nevoeiro parece enviar
e me roça a face
Desenho sulcos de sonhos
de uma paz que não terei jamais
A noite cai sobre a folha
que se encontra aqui ante os meus dedos
cheios de nada escrever
Eu olho-a e questiono as estrelas que afloram
Na incomensurabilidade do céu
a minha respiração agasalha o frio e sai
da minha boca um vapor
que se mistura com a saliva e me sabe a fel
São flocos de saudades e a folha branca
voa e cai no parapeito das minhas quimeras
olho e vejo o sonho desvanecendo-se
Em aurelolas de fumo do cigarro
semi acesso desamparado
ali no canto direito da boca
da boca crispada num trejeito de pesar
desvairo e nostalgia.

E.L.
2008/4/03


E.L.

 
Autor
Emilia Lamy
 
Texto
Data
Leituras
803
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
MagnoRobertoAlmeida
Publicado: 17/03/2008 15:42  Atualizado: 17/03/2008 15:42
Colaborador
Usuário desde: 14/05/2007
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 567
 Re: Numa simples folha de papel...P/Emilia Lamy
Olá, poetisa, boa tarde.

Teu poema é triste mas extremamente gostoso de ler. Também gosto de escrever sobre saudades e desilusões, não que eu seja um homem triste e amargo e sim, por inspirar-me em alguns momentos do meu passado, totalmente superado, e em alguns romances que leio (principalmente romances espíritas). Parabéns pelo texto. Gostei muito.

Um grande e fraterno abraço acompanhado de um carinhoso beijo no seu coração.


Enviado por Tópico
jessé barbosa de oli
Publicado: 02/04/2008 14:09  Atualizado: 02/04/2008 14:09
Da casa!
Usuário desde: 03/12/2007
Localidade: SALVADOR, Bahia
Mensagens: 334
 Re: Numa simples folha de papel...
melancolicamente belo, catártico e metalinguístico. no entanto, com efeito,
é plenamente poético.