https://www.poetris.com/
Poemas : 

MAIS VINHO!

 
Tags:  REDONDILHAS  
 
MAIS VINHO!

Ora, bolas... Que maçada!
Se comida eu já comi;
Se bebida eu já bebi,
Mas de vinho não tem nada
O que faço ainda aqui?

Não venha à festa sem vinho
Quem mais como eu o aprecia.
Se o tinto é meu descaminho,
O verde traz-me alegria,
Esteja eu junto ou sozinho.

Um cálice transbordante
Reluzindo a luz de velas
Faz da namorada amante;
Visto as mulheres mais belas
E a conversa interessante.

É tanta felicidade
Prometida n'um só brinde,
Que até a prosperidade,
Cristais à mão, clamais: "Vinde!"
A que no vinho a verdade
Mais e melhor se deslinde.

Aquele que por primeiro
Nos dá carinho e calor
É, de janeiro a janeiro,
Tanto no amor que na dor
Sempre o melhor companheiro.

Amigos, por sua vez,
De alegria tão modesta,
Eu digo em bom português:
-- "Falte tudo n'uma festa,
Mas não falte o meu xerez!"

Belo Horizonte - 12 08 2017


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
88
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
18 pontos
4
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 13/08/2017 15:10  Atualizado: 13/08/2017 15:10
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 12689
 Re: MAIS VINHO!
Texto bem "ibérico", assim como os bons vinhos. Belas rimas, métrica, enredo e conteúdo. Parabéns e tudo de bom!


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 14/08/2017 05:20  Atualizado: 14/08/2017 05:21
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1335
 Re: MAIS VINHO!
In vino veritas...

E vai mais um copo.

Imagino que, na realização que o poder do vinho, e do transtorno da embriaguez, os gregos da antiguidade clássica encontrassem a necessidade de divinizar o dito.
Dionísio e depois Baco na tradução dos romanos, era um deus particularmente caprichoso.
As Bacantes o simbolo do poder que o vinho exercia nas mulheres, levando-as à devassidão. E aos homens, claro.

Pena os efeitos secundários.
Mas há também a ideia que, como na primeira frase com que começo, pelo menos somos todos mais sinceros...


Abraço