https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

Ouvindo seu corpo

 
Tags:  amor    corpo    fragilidade    virilidade  
 
Se seu corpo me cantasse versos
Eu sentiria o torpor de suas aspirações
As urgências de seus sonhos corrompidos
Seu corpo diria o quanto quer ser possuída
Sem domínio
Enlaçada em liberdade
Dirigida em um vôo cego

Saborearia o acorde menor do toque
Sem a dívida
Da entrega sem despojo
De estar nas mãos
E ser dona do seu ir e vir

Me diria sussurrando
Que a força que possuo
É o afago dissonante de sua delicadeza
E minhas mãos pesadas
Te mostram o quanto poderia ser vil
Mas sou doce

Em seu corpo me faria parte frágil
Da minha virilidade...


"A maior riqueza
do homem
é sua incompletude.
Nesse ponto
sou abastado.
Palavras que me aceitam
como sou
— eu não aceito." Manoel de Barros

 
Autor
Cleber
Autor
 
Texto
Data
Leituras
2446
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
9 pontos
5
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 23/08/2017 15:51  Atualizado: 23/08/2017 15:51
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16779
 Re: Ouvindo seu corpo
Cleber
Uau! Pretensioso e inspirado!
Adorei!
Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
Branca
Publicado: 23/08/2017 18:15  Atualizado: 23/08/2017 18:15
Colaborador
Usuário desde: 05/05/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 3023
 Re: Ouvindo seu corpo
Uma mistura da sensibilidade com a força. Um corpo com fome e mãos que podem saciar, mesmo pesadas...
Amei o poema.

Beijo

Branca

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 01/09/2017 11:29  Atualizado: 01/09/2017 11:29
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29449
 Re: Ouvindo seu corpo
Um belíssimo poema encantador.

A voz doe nosso corpos grita o amor

Enviado por Tópico
Margô_T
Publicado: 09/06/2020 10:03  Atualizado: 09/06/2020 10:30
Da casa!
Usuário desde: 27/06/2016
Localidade: Lisboa
Mensagens: 309
 Re: Ouvindo seu corpo
O verso que, se se pudesse dizer (“Se seu corpo me cantasse versos”), seria a verdadeira expressão do contraste desejado: de uma possessão e não-possessão, de uma liberdade e não-liberdade - em simultâneo e sintonia; de uma “enlaçada liberdade” (bela expressão!)
Num “voo cego”, o “torpor das aspirações” poderia, então, materializar-se, trazendo as “urgências dos sonhos corrompidos”, o saborear do “acorde menor do toque” (gosto desta referência à música neste pas-de-deux, ainda que toda ela seja apenas adivinhada, existente somente nos domínios da imaginação do sujeito poético – ou talvez precisamente por causa disso), e o hipotético total controlo sobre si mesmo/a e o outro/a.
A força seria, assim, “afago” e força, intensidade e “delicadeza”, porque só assim o “vil” poderia coincidir com o “doce” - na exuberância selvagem do desejo existindo uma “parte frágil”.
Gosto do modo como teceste estes contrastes e os expressaste.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 09/06/2020 10:33  Atualizado: 10/06/2020 05:38
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1915
 Re: Ouvindo seu corpo
Efectivamente, por engano, resolvi ir à coluna de comentários por motivos menos claros para mim e dei de caras com um poema de 2017.
Um pouco esquecido, sem favoritos, tem uma sensualidade que roça o erótico.
Acho que havendo algum génio na construção ele reside aí.
De provocar num leitor mais prevertido sensações muito intensas.
Desde as "aspirações" no pescoço que leva ao arrepio, ao "possuída", ao enlace no "voo cego" fechariam os olhos? A que altitude do céu?
Na segunda estrofe, indo da "entrega" ao "toque" ao "vir" (aqui já entra o explícito que reparo).
Mas há na vileza uma certa doçura enganadora, da insinuada submissão, da dominância confusa, talvez partilhada.

Que belo engano arranjei.
Eu, que não sou nada tarado...

Obrigado Cleber