https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Sombrios : 

Catarse

 
A pugna entre corpo e alma
É a fantasia lúcida
E o brinquedo torto
Das divindades.

Carrego as marcas das trincheiras
Cada cicatriz aponta o rumo,
Dita a escolha viciada
Da liberdade.
O que quero
É o que não faço.

Como arrancar as cicatrizes?
Como desatar as amarras?

Devo enfrentar mais uma vez
O punhal que fincou a carne
Olhar o brilho da lâmina
E experimentar a dor
Como o emplasto.
Ah! Santa moderadora dos desejos-
A Dor-
Purifica este espírito
Tão carnal
Quanto o desejo ganancioso
Do Demônio.

Cortarei a carne mais uma vez,
Espontaneamente,
Como sempre foram as marcas do meu corpo.
Mas agora refugiar-me-ei
No gole do Absinto
Embriagado pelo doce sabor da Cura.
Enfrentarei o suicídio e o assassínio
Como a dois bons companheiros
De conselhos dúbios e proveitosos.

Devo ter coragem...
Afasta de mim este cálice.
Já não basta todo o sangue derramado
Para que eu estivesse aqui?

Tenho que continuar
E suportar a síncope,
Essa esmola para aturar a mutilação.
Talvez quando eu acordar
O mundo tenha mudado...
Pelo menos o meu.


"A maior riqueza
do homem
é sua incompletude.
Nesse ponto
sou abastado.
Palavras que me aceitam
como sou
— eu não aceito." Manoel de Barros

 
Autor
Cleber
Autor
 
Texto
Data
Leituras
789
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 30/03/2009 22:42  Atualizado: 30/03/2009 22:42
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8223
 Re: Catarse
Gosto do que escreves, totalmente diferente do habitual na poesia, e de certo modo, muito intimidatório e sempre reflexivo. Abraço