https://www.poetris.com/
Textos -> Outros : 

Interior. - Cartas

 
Querida Gaveta Falante,

Como poderá haver entrega num mundo de valores tão fúteis? Estou aqui pensando sobre isto, estou ainda mais fragilizada pela expectativa dos meus oponentes.

Quixotes e escudeiros dementes!

Mato um leão por dia para manter minha sanidade mental intacta. Porém, temo que mesmo assim, não ser possível sobreviver ao céu de lanças e flechas atiradas pelos meus supostos amigos. Agora, pareço um porre ambulante. Retiram tudo de mim, como uma garrafa da mais barata pinga ou consumida como erva na esquina. Sou um produto de consumo disputada pelo mercado ávido.

Minhas vísceras ficaram expostas em busca da amizade, lealdade e amor. O amor não é para ferir e sim nos revigorar, nos fazer viver.

Quantas lutas insanas.

Dragões e flechas atiradas no chão, e a pobre Donzela investindo sua frágil armadura humana, sempre procurando defender seus nobres princípios, acreditando que pessoas podem ser justas e com sentimentos puros!

Mentirosos e enganadores, bem, deixem que eles se afundem nas virtudes movediças, desta praia de loucos. Que mundo de mentiras. Só desejo ser uma pessoa boa, qual é o erro?

Certamente o erro pertence a eles. E quando seus gritos de socorro forem enterrados nas areias do esquecimento. Se lembrarão de mim e vou sobreviver a isto. Jamais abdicarei dos nobres princípios que me regem, se não pela vontade espontânea de realizar o que for ditado pelo coração e pelo bom senso e ver em tempo o fim da história.


- Por CFSamhain


Copyright: É proibida a cópia, reprodução, distribuição, exibição, criação de obras derivadas e uso comercial sem a minha prévia permissão.


 
Autor
Nyna
Autor
 
Texto
Data
Leituras
70
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
6
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 16/04/2018 22:16  Atualizado: 16/04/2018 22:16
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 13203
Online!
 Re: Interior. - Cartas
Sempre perdemos as batalhas contra os moinhos de ventos. Obrigado por partilhar conosco os segredos de gaveta. 😘


Enviado por Tópico
cavaleiro.sem.dama
Publicado: 17/04/2018 13:00  Atualizado: 17/04/2018 13:00
Da casa!
Usuário desde: 28/01/2017
Localidade:
Mensagens: 217
 Re: Interior. - Cartas
fez-me lembrar Hamlet

de William Shakespeare

bj


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 17/04/2018 15:35  Atualizado: 17/04/2018 23:40
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1388
 Re: Interior. - Cartas
Acontece estar a ler "O engenhoso fidalgo D. Quixote de La Mancha".
Talvez isso me tenha puxado o comentário.
Neste teu "Interior", em que estabeleces um diálogo\monólogo com a Gaveta Falante (bem conseguida a ideia) abordas algo tão sério como a nobreza.

Cavaleiro (ou cavaleira, neste caso) andante que se preze, não abdica dos seus princípios.
O problema é que lutar pelo que é certo, ainda que de forma menos habitual, amiúde parece demência.

Pouco tinha Sancho Pança de sonhador utópico ou demente. A sua única falha foi seguir D. Quixote, ser a sua sua voz da consciência. Com pouco efeito.
Assim podemos dizer que cada um de nós, em seu perfeito juízo, somos um pouco dos dois.

"...Mato um leão por dia para manter a minha sanidade intacta..."
Frase forte. Um pouco Quixotesca.

A traição é um bicho muito feio. Dá grandes poemas.

Gostei.