https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Tristeza : 

Margens da ilusão

 

Nas margens da ilusão
Saboreia-se o néctar divino
Que aquece o coração
Do desventurado destino.

A melodia melancólica
Faz desertar a razão
Da esperança simbólica
Que atormenta a habitação.

O sofrimento delinquente
Está carregado de solidão
E de uma forma pungente
Derrama lágrimas na escuridão...



José Coimbra

 
Autor
Legan
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1414
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
36 pontos
2
5
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 06/11/2018 16:03  Atualizado: 06/11/2018 16:03
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 2766
 Re: Margens da ilusão

Somos seres sem destino
que derramamos lágrimas
na nossa própria solidão

Excelente

Um abraço poeta José

Enviado por Tópico
AntónioFonseca
Publicado: 30/11/2018 21:47  Atualizado: 30/11/2018 21:48
Colaborador
Usuário desde: 31/05/2013
Localidade: Portugal
Mensagens: 644
 Re: Margens da ilusão
Não há fruto se a flor não cair, sendo assim assim não devemos lamentar a ilusão perdida.
Pois nesta passagem vida, a solidão é uma sensação sofrida, mas que tem de ser banida das margens da ilusão.

Uma boa noite e um abraço poeta José Coimbra