https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

QUANDO O FOGO VIRA CINZAS.

 


Das sete cores da vida extraímos seus mistérios
Do berçário ao cemitério as encontramos ativas
Entre orquídeas e margaridas as belas borboletas
O colorido é um fato a inundar as nossas vistas.

Tudo quanto aqui existe detém suas variações
Denotam contradições, muitos grupos convergem
São estas variações que nos dão tempero a vida
Entre subidas e decidas vivemos nossas emoções.

Maldições e consagrações perfazem a dualidade
De toda a humanidade em suas diversas gerações
Dosemos nossos corações com muita vitalidade.

Quando o fogo vira cinzas vai perdendo seu calor
Mas sem perder o sabor dos fatos moderadores
Sem jamais perpetuarmos aos muitos dissabores.


Enviado por Miguel Jacó em 30/03/2019
Código do texto: T6611139
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Miguel Jacó

 
Autor
Migueljaco
 
Texto
Data
Leituras
245
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
17 pontos
3
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 30/03/2019 19:01  Atualizado: 30/03/2019 19:01
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16057
 Re: QUANDO O FOGO VIRA CINZAS.
Miguel
Belo soneto para reflexão!
Beijos!
Janna

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 31/03/2019 11:08  Atualizado: 31/03/2019 11:08
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 2722
 Re: QUANDO O FOGO VIRA CINZAS.


Excelente

um abraço poeta Migueljaco

Enviado por Tópico
UMA MULHER UM POEMA
Publicado: 03/04/2019 21:32  Atualizado: 03/04/2019 21:32
Colaborador
Usuário desde: 26/04/2006
Localidade: São Paulo/SP
Mensagens: 2922
 Re: QUANDO O FOGO VIRA CINZAS.
Boa tarde, Poeta Miguel Jacó!

Brilhante soneto para ler e reler.

Parabéns e um grande abraço!