https://www.poetris.com/
Poemas -> Fantasia : 

A Lenda da Prostituta Rose Morena

 
Chegou a primavera e o rio Paraguai estava vazio
Foi quando ela chegou na Princesinha do Rio Paraguai
Usava uma blusa cinza com capuz
Short curto a revelar as pernas sensuais.
Não usava joias, nem anéis
Apenas deixava os cabelos soltos.
Nem ligou muito para o olhar de desaprovação
Do homem com a bíblia nas mãos;
Nem para o desdém da mulher de vestido longo.
Na lanchonete pediu um risole e um suco natural
O garçom pediu-lhe o número do Whatsapp
Para arrumar-lhe clientes, caso precisasse.
Na sua timidez parecia ser de pedra seu coração.
Os dias passaram e ela dançava
No Khurral, Ponto G e Curú
E todos a olhavam com olhares de desejo.
A vida era uma festa
Isso é o que pensavam dela.
Estava sempre feliz
Seu sorriso encantador
Seduzia mais que seu belo corpo
Esculpido pelo Criador.
Ninguém sabia
Mas, às vezes ela chorava pelas madrugadas
Até o dia em que ficou doente.
Em seu coração havia uma saudade
Saudades de um amor
Que há muito se fora.
Usava um vestido preto colado ao corpo
E escondeu às lágrimas.
Na praia do Daveron,
Final de tarde, nadou sozinha.
Parecia querer lavar a alma
E ninguém notou suas lágrimas.
A primavera se foi
E ela também.
Alguns dizem que ela foi para o inferno
Mas, que não foi aceita por lá.
Sua alma tão bondosa
Merecia o paraíso.
E ela vaga silenciosamente pelo espaço
Às vezes, o vento que sopra,
Às margens do rio Paraguai
Traz o seu perfume delicioso.
Houve um tempo em que eu era puro
Ela via que eu era mau
E, mesmo assim, ela me amou.

Poema: Odair José, Poeta Cacerense

 
Autor
Odairjsilva
 
Texto
Data
Leituras
66
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.