https://www.poetris.com/
Poemas : 

deste-me os sinos ilegíveis do sangue e o que vão eles fazer nas rosas que este poente leva?

 

.

Senão
há nada que te desça.
Senão
há nada: o sol
é um champanhe. É um champanhe
seco. E
não há forma de o trazer para estes lábios que já de Maio adivinham
a seda, Meu
amor



Eugénio Trigo

 
Autor
TRIGO
Autor
 
Texto
Data
Leituras
147
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
TRIGO
Publicado: 05/10/2019 16:31  Atualizado: 05/10/2019 16:32
Colaborador
Usuário desde: 26/01/2009
Localidade: Cabeça-Boa - Torre de Moncorvo
Mensagens: 2301
 Re: deste-me os sinos ilegíveis do sangue e o que vão ele...
.
.


Sento-me, meu amor: sento-me. Todas

as noites para

te vestir um rio inteiro de lábios verdes


Eugénio Trigo



https://www.wook.pt/autor/eugenio-trigo/2027841


Enviado por Tópico
bitcoin
Publicado: 05/10/2019 23:37  Atualizado: 05/10/2019 23:37
Da casa!
Usuário desde: 05/09/2019
Localidade:
Mensagens: 269
 Re: deste-me os sinos ilegíveis do sangue e o que vão ele...
não me digas que levaste com os sinos no sagrado excretor de sargaço! porra! há muito quem goste de cavalgar o ar mas nada que chegue à planície de uma rosa com cabelo. ai senhor... atrás das nuvens