https://www.poetris.com/
Poemas : 

Adrenalina

 


Eu moro em mim
Mas as vezes sinto saudade de casa
Me transformei em Odin
Jurei, igual fez o Fábio Brazza

Minha alma é negra igual Zumbi
Melanina transcendental
Minha aura sempre foi tons de rubi
Preciosidade num corpo de cristal

Minha consciência é rosa dos ventos
No meio do nada apontando direções
Sou Mandela perdoando os tormentos
O ódio não constrói edificações

Carrego todos os sonhos do mundo
Salve Pessoa, eu também sou assim
Não sou tudo, não posso querer ser tudo
Mas o nada não deve fazer parte de mim

Sou Santos Dumont em cada verso
Pioneiro nos voos tipo o 14 Bis
Mas eu quero o céu do universo
Não me contento com o céu de Paris

A vida não faz sentido, a vida se faz sentindo
Crente duvidando, ateu fazendo prece
Tragédia amarga, a amargura sorrindo
Tô escrevendo Macbeth, me chame de W.S

São racistas de época igual o Lobato
Polemizando igual o Lobão
Fazem festa abrindo o primeiro ato
Mas sou Nelson Rodrigues trazendo a conclusão

Eu sou o Senhor Coelho
Mas tô tipo Alice perdendo a lucidez
Jesus me dando conselho
Mas eu sempre fui judeu com surdez

Diz quem não conhece o Ip Man:
"Mano, o Bruce Lee é tão foda"
Cita o simpatizante da Ku Klux Klan:
"Preto tem que tomar banho de soda"

(Hipocrisia
Revolução de caneta
Rebeldia
De um ego batendo punheta)

É sobre o muro de Berlim
Não sobre as muralhas de Jericó
O que mais querem de mim?
Revolução de um homem só?

Eu sou mesmo não querendo ser
Ser é um verbo transitivo indiscreto
Não fazem mesmo querendo fazer
Que fé é essa nesse deus de concreto?

Não vou parar por aqui
Não posso parar agora
Ainda vão me levar daqui
A morte não perde a hora

Me jogar é a única alternativa
Mas bung jump sem corda é suicídio
Eu sempre quis evitar a oitiva
Então morrer agora é subsídio?

Só Rogério Ceni é mito
Seu presidente é cusão
Ouve só, mais um grito
Jair com o pau no cu da nação

Um Caravaggio vale milhões
Um J.D.C.C vale centavos
Não valorizam emoções
Só dão valor pros conchavos

Estão citando a obra de Assis:
"Bem vindo a igreja do diabo"
Faz carinha de anjo feliz
Sentando em cima do próprio rabo

O tempo joga xadrez comigo
E só um xeque-mate resolve
Ainda não sei o nome do inimigo:
Chamo de Deep Blue ou chamo de Kasparov?

O tempo não é inimigo
O tempo é adversário
Esse jogo que ele joga comigo
Só põe em xeque o necessário

Tá todo mundo se fazendo de Orfeu
Caminham pra frente olhando pra trás
Foi pisando em serpente que Eurídice morreu
Depois tem que descer ao inferno em busca de paz

Estão com a mente em casulo tipo borboleta em pupa
A diferença é que vocês não vão voar
Usando o destino como desculpa
Pedra no caminho não derruba, só faz tropeçar

"Você não sabe amar"
Eu sinto o amor escorregar pela mão
Como se eu pudesse segurar
Mas deixasse cair no chão

O que é o Partenon
Se Atenas habita o Olimpo?
Ela era Yoko, eu era Lennon
Distância homicida não faz jogo limpo

Só vou escrever meu ódio
Não quero falar de amor
Minha poesia lutando por pódio
Só quero que cure minha dor

Escrevo esse poema com raiva
Enquanto a raiva escreve em mim
Minhas palavras fazendo gaiva
Reles esgoto do meu fim

Sem filme do Hitchcock, eu não faço suspense
Sou mais drama, biografia e documentário
Dadaísta, minha arte é nonsense
Mas o absurdo beira o extraordinário

A poesia faz o resgate
Soldado Ryan é leitor
Sou um poeta pronto pro abate
Querendo o Nobel do amor

População indiferente ao sistema
Tipo Grenouille, não fede nem cheira
Na verdade nem enxergam o problema
Se fazem de Bird Box, só pode ser brincadeira

"O que você quer ser quando crescer?"
Pergunta isso pra uma criança no Rio de Janeiro
"Eu só quero crescer, não importa o que eu vou ser."
Essa resposta é cerol, me corta o peito inteiro

Revolução ainda é um sonho distante
Tendo em vista o que fizeram com a nossa nação
Olha que ideia brilhante:
"Legalizo as armas e corto verba da educação"

Columbine é aqui, olha o que fizeram em Suzano
Almas na solidão e o celibato não foi escolha
Facilitando a vida de miliciano
Cidadão de bem vivendo na encolha

Velocidade O'Conner
Dominic te deixando ganhar
Quem nasce Will Traynor
O amor de Clark não vai salvar

Fazem cara de miss perdendo concurso
Frustração canalizada
É como a Dilma fazendo discurso:
Não canso de dar risada

A mão que bate também faz carinho
Igual Projota cantando AMADMOL
Ninguém faz merda sozinho:
"Olha a intimidade do Moro com o Dallagnol"

Me sinto Vivien Thomas
Com Blalock levando a fama
O desapego e seus sintomas:
"Eu também" pra dizer que me ama

Eu sinto frio, minha alma gelada
Mas o inferno é quente demais
Eu tenho medo, minha consciência pesada
Me vendi como Fausto, eu não sei o que é paz

Eu sou bipolar
E nisso não vejo problema algum
Eu não sei rezar
O que me falta está em hebreus 11:1

Eu que me orgulho de não chorar
Chorei ouvindo "Mandume"
Só não consigo suportar
Quando o choro vira costume

Nesse mundo a liberdade é amarga
É foda ter que contar com a sorte
Viver sonhando é o preço que a gente paga
Só que esperam morrer pro sonho ficar mais forte

Passam o inverno inteiro esperando
Pra ver a primavera florindo
Só que eu não perco tempo chorando
Só ganho tempo sorrindo

Querem fazer chiqueiro
Só porque enxergam o lamaçal
Sou brasileiro
Mas nem por isso eu gosto de carnaval

Sejamos Pitty seguindo na contramão
O tempo é abstrato na realidade
Não devemos acreditar na solidão
Nem sempre ela sabe dizer a verdade

A verdade é que a verdade respira por aparelho
Isso independe de crença
A dúvida cala o ordeiro
Como Getúlio assinando a própria sentença

Nunca se arrependa de se arrepender
Sinta, não importa o que você pensa
Mas não tenha medo de ler
O poema dos olhos da indiferença

Ouça o que eu vou falar:
O ego é bom, eles pintam como ruim
Eu não sei onde isso vai nos levar
São mil negativas a espera de um sim

Vivendo Death note
Os nomes já estão no caderno
Tô correndo igual Bolt
Eu tô fugindo do inferno

Isso é só o que eu penso
Não é sísmico, mas causa abalo
Todo mundo é Lourenço
E vai morrer com a cara no ralo

Olha só que perigo:
O machão me matando na internet
Mano, eu não ligo
Já morri tantas vezes depois de dezembro de 97

Onde o bem se conforma
O mal se faz nefasto
O foda é que aqui o bem está em reforma
Bem vindo ao holocausto

Eu moro em mim
E sentir saudade de casa é normal
Eu sou Odin
E minha sabedoria é banal



Jeferson

Não classifiquei este poema como polêmico, pois creio que a arte não deve ser censurada.

Um de meus poemas preferidos é "Poema sujo" de Ferreira Gullar, que em nome da arte faz uso de palavras de "baixo calão"...

De forma alguma estou me comparando a Ferreira. Estou apenas exemplificando.

Liberdade!
 
Autor
Jdcc1
Autor
 
Texto
Data
Leituras
82
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
14 pontos
2
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Chou
Publicado: 16/10/2019 01:40  Atualizado: 16/10/2019 01:40
Colaborador
Usuário desde: 01/02/2017
Localidade:
Mensagens: 534
 Re: Adrenalina
Intensas palavras.
Continue, nunca desista se acredita valer a pena.