https://www.poetris.com/
Poemas : 

Escassez de vento

 
Escassez de vento

Quero falar sobre vento
Mas está tudo parado .
Até o meu pensamento
Nesse instante está calado .

Palavras adormecidas,
Trancadas numa prisão
De rimas descoloridas,
Em versos sem emoção.

O vento daqui fugiu,
Deixando triste calor .
A natureza sentiu
Esse quadro de terror.

A terra está muito quente,
Parece grande martírio,
Queimando a vida da gente ,
Num forte e triste delírio .

Tapete tão esverdeado,
Sentiu sede e padeceu .
Agora está desbotado,
Até seu brilho perdeu.

Já não vejo catavento,
Brincando com a criançada ,
Naquele contentamento ,
Naquela larga calçada.

Só me resta, então, clamar ,
Pedindo a volta do vento ,
Com chuva para molhar
Até o meu pensamento.

Quero que soltem o vento
E que chegue no sertão .
Que a terra gere alimento,
Salvando a população.

Que chegue vento mansinho,
Sem derrubar barracão ,
Soprando devagarinho
Uma bendita canção.

Lu


A poesia corre em meu sangue
Como a água corre no rio
Sem ela sou metade de mim
Meu nome é fruto de poesia.





 
Autor
Lucineide
 
Texto
Data
Leituras
142
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
6
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 19/11/2019 16:04  Atualizado: 20/11/2019 10:48
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2108
 .


Sei-não,

Me encantava Durban no início, agora não
Me encanto no vento e no toque a cera/sabão,
Depois quando parte pra "não-sei-não",
Poder talvez sentir real eu não, as rosas brancas

E na alma geral o vento, general Zulu do rumo,
E a vontade pra que me mude de onde cenário
Sou pra onde, sentido eu, passe sentindo estar
Não sendo, quanto suspiro, perfume da navalha,

Do tempo que falta, sei-não, fumo Cannabis, Absinto,
Me encanta, na emoção o vento, a Seda-Hume,
Assim me cantava Durban do solstício, a emulsão
Do tempo escasso, na respiração o íntimo ronco,

Agora não, não venta faz tempo, partiu logo-logo
Para "Sei-lá", o vento, sorrindo da ironia ao dolo,
depois eu mudei, renuncio ao vento, serei a estátua
Que se mudou do nunca pra jamais, da praça Natal,

Para a rua dos fungos e dos ofícios pobres,
Tecelões do "aonde-morro" onde morreremos
Todos, monótonos e desnecessários, vãos
De escada, refractários, rebeldes do vento,

Me encantava Durban e nem sei explicar se
Da alegria na guerra ou da paz de um logro,
Pois que agora não, o facto é que me creio
Prisioneiro, contrabando de ouro falso, um

Não-ser ...



Enviado por Tópico
Violante
Publicado: 19/11/2019 20:49  Atualizado: 19/11/2019 20:49
Super Participativo
Usuário desde: 10/09/2019
Localidade: Campinas, Brasil
Mensagens: 159
 Re: Escassez de vento
Boa tarde Poetisa

Desejo que o vento mansinho lhe traga muitas poesias inspiradoras.

Beijo


Carpe diem


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 20/11/2019 12:20  Atualizado: 20/11/2019 12:20
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16288
 Re: Escassez de vento
Lu

O calor chegou com gosto
Maltratando a população
Volta chuva e vento no rosto
Vamos orar com fé e inspiração!

Adorei a leitura! Parabéns!
Nesse tempo tenho crise de asma, é um terror!
Beijos!
Janna