https://www.poetris.com/
Poemas : 

derisório

 
nunca mais
me viste, vês ou verás sorrir

perdi esse predicado
o corpo do sujeito
nas frases, epístolas que guiam o que penso

na minha boca restará só a fome
a coberto do deserto de abril.

E até ao meu dia de finados
amaldiçoo, amaldiçoei
e amaldiçoarei
cada instante

ingrato
gloriosamente ingrato

espera-me carpir
no lugar do sorrir


para a Leo


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
44
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
0
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.