https://www.poetris.com/
Poemas : 

Quando estar só é o melhor local do mundo

 
Quando estar só é o melhor local
Do mundo, afasto-me,..
Porque além de estar só gosto de estar comigo.Cansei-me das estradas escuras dos irracionais
da vida,das frases obscuras e gastas, onde me procuro e nem sou.

[Alucinei sem morada, desencontrei-me, fiquei esquecida por onde me esqueci de mim].

Abraço-me a cada minuto por esta solidão tão dependente e minha, onde uma minúscula música, um pequenino texto, ou uma simples paisagem me entendem melhor que o mundo. Bato à porta de quem sempre me ouve e reconhece, desfaço a solidão e sigo sozinha.
Porque a solidão também é uma morada.



Esqueci

 
Autor
Esqueci
Autor
 
Texto
Data
Leituras
153
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
19 pontos
1
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 07/07/2020 20:47  Atualizado: 07/07/2020 20:47
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1905
 Re: Quando estar só é o melhor local do mundo
Ouvi dizer algures que os nomes de localidades são escrito com letra maiúscula.
Nesse caso, onde se lê "...estar só... deveria-se ler Estar Só, embora um Só com letra grande deve ser um lugar muito ermo.
Ora se o sujeito poético afasta-se de Estar Só é porque vai para Ter Companhia.

Ter Companhia tem muitos cheiros e gentes.

Devo confessar-te que pelo menos inconscientemente podes ter-me inspirado na frase que se segue num do meus últimos, chamado Com. Apareceram-me os primeiros versos em condução na IC19, e estive quase para parar na berma para teclar no smartphone.
Muito belo.

"...Porque além de estar só gosto de estar comigo..." ter amor-próprio é vital e descreveste-o muito bem.

Achei também graça à quebra de verso, bastante engenhosa no "... dos irracionais\da vida..." assim ninguém se magoa.

Acho que o verso que se segue duma importância significativa, porque define muito este sujeito poético e, atrevo-me, até o autor, um caso de consistência.

[Alucinei sem morada, desencontrei-me, fiquei esquecida por onde me esqueci de mim]

Acho apenas a última estrofe desnecessária porque o poema tem força o bastante até e inclusivé ao verso acima.
Claro que está bem escrita, e bem melhor do que se lê frequentemente neste site que aprendi a amar.

Abraço irmã