https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Qualquer coisa sem propósito

 


A rua desce estreita até ao fundo do meu cansaço
Vai estreitando-se para o fim, como qualquer coisa sem propósito
Que estranhamente, todas as vezes que passei por ela
Nunca consegui explicar

Nunca houve outra rua mais verdadeira e minha
Do que aquela que me sentiu os passos todos os dias
E da mesma maneira, nunca houve desses dias, somente um
Em que soubesse quem eu era e me conhecesse por andar nela

É a rua onde cresci e me vi passar por mim
Ao perto e ao longe
E deixou-me marcas no corpo e na alma
Por cair nela muitas vezes

É a rua onde andei desalmado com camisa bem passada
Inconsciente com sapatos novos a pisar em tudo
Onde andei, vestido de mim, como pessoa inteligente e sem futuro
E hoje, é a rua que se inclina para falar de tempo e de espaço
Sem falar de quem sou, sem marca nem memória que de mim lembre.



Corrida até ao jardim sem respirar
Ir e voltar a deixar marcas pelo passeio e entrar em casa.
Universos percorridos até à extinção da vontade de ir
Ficar exausto, deitar-me na cama e saber que vivi

Se conhecesse, não tinha ido
Se recordasse, não tinha voltado
Por isso fui e voltei muitas vezes, não para conhecer nem para recordar
[mas para me cansar e viver.



Chegar ao fim da rua sem saber a cor das paredes das casas
Por nunca ter morado nelas
E aceitar isto como desleixo de passar desinteressado por tudo e por todos
Enquanto a rua desce e estreita
Enquanto se inclina até não conseguir andar por ela

Chegar com propósito ao fim por viver muito
Como se chega sem pressa ao fundo da rua
Lugar de espaço e de tempo, onde se alarga o meu cansaço.









Viver é sair para a rua de manhã, aprender a amar e à noite voltar para casa.

 
Autor
silva.d.c
Autor
 
Texto
Data
Leituras
202
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 09/05/2021 03:07  Atualizado: 09/05/2021 03:08
 Re: Qualquer coisa sem propósito para Nuno
E são nas ruas dos nossos pensamentos, e perdições, que nos apresentamos, perante aos nossos eus(assim, escritos em palavras perdidas, e até..)




E é sempre bom ler oq vc faz e cria, cara.. onde não é pra qualquer um!

u.u




Um abraço deste que te lê e sabe de si,

Enviado por Tópico
Srimilton
Publicado: 16/05/2021 01:36  Atualizado: 16/05/2021 01:36
Colaborador
Usuário desde: 15/02/2013
Localidade: Nenhuma
Mensagens: 1874
 Re: Qualquer coisa sem propósito
Olá, Silva!
É este seu texto que me referi em resposta ao seu comentário no meu escrito.
Li, nitidamente, Fernando Pessoa, aqui. Uma grata surpresa porque é muito belo este seu escrito e, ainda mais por eu identificar essa referência, pessoa.
De verdade, um belíssimo poema que flui ao meu gosto. Senti um prazer imenso nessa leitura. Bacana mesmo!...

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 16/05/2021 14:51  Atualizado: 16/05/2021 14:51
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 17197
 Re: Qualquer coisa sem propósito
Poeta
Penso que a vida seja feita de idas e vindas, encontros e desencontros, descobertas, surpresas, encantos e desencantos. Não percebemos a passagem do tempo quando somos jovens, caminhamos sem pressa, muitas vezes sem um propósito, sem nos dar conta das belezas que nos rodeiam rotineiramente e quando temos uma maior percepção de tudo ao nosso redor, do tempo percorrido, já estamos cansados, exaustos e não conseguimos caminhar como antes, pesa-nos o corpo, talvez a consciência ou não, já que podemos ter em mente
que fizemos o melhor e enfim vivemos...
Desculpe se divaguei!
Só sei que adorei a leitura!
Obrigada pela partilha!
Abraço!
Janna

Enviado por Tópico
silva.d.c
Publicado: 01/06/2021 16:11  Atualizado: 01/06/2021 16:11
Colaborador
Usuário desde: 26/10/2010
Localidade:
Mensagens: 517
 Re: Qualquer coisa sem propósito
Obrigado Alex, Milton e Janna pela vossa presença e pelas vossas palavras. Abraços