https://www.poetris.com/
Poemas : 

Memórias

 
Saudade de ti e de teu nome, ave migratória dos mares
Porque tua ausência resta plantada e frutifica em mim
E mesmo tenhas imergido, teu cheiro de verão me vem
A despeito do chão forrado de folhas amarelas caídas

Ora, é frio inverno, inclemente, prenúncio do abandono
Nos territórios da noite em que nada e ninguém se ouve
Lembro nossa infância inocente, a mágica companheira
Das canções de antanho, amor em nossas noites felizes

Também recordo do vento de seus mistérios e segredos
Tua presença, tuas mãos, novamente escrita nos versos
O aroma daquele perfume, de cujo frasco ainda guardo
Contigo, deixei de ser menino, descobri nova caligrafia

Mas tua alma sumiu no passado, o medo limitou teu ser
Esvaiu-se a lanterna que alumiava o perfil de teu corpo
Um dia acordamos e, no linho da manhã, já não estavas
Esquecemos, em passo apressado, o caminho de retornar

Uma voz do passado me chama entre os sibilos da brisa
Como quem quisesse subtrair a matéria de tempos idos
E mostrar que restou no lençol a mancha daquele amor
Como pudesse apagar o que houve da memória de Deus

Ainda que tão longos caminhos jamais me conduzam a ti
Deixo a porta aberta, a taça de vinho e o esquecimento
Mas te lembro que me libertei daqueles antigos grilhões
E que a saudade destes versos, é o adeus que não te dei


Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.




 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
126
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
9 pontos
1
4
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ZESILVEIRADOBRASIL
Publicado: 29/07/2021 17:46  Atualizado: 29/07/2021 17:47
Membro de honra
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 753
 Re: Memórias
"Ainda que tão longos caminhos jamais me conduzam a ti
Deixo a porta aberta, a taça de vinho e o esquecimento
Mas te lembro que me libertei daqueles antigos grilhões
E que a saudade destes versos, é o adeus que não te dei"


Destaquei estes versos finais para comprovar o quanto gostei do poema todo.
Quanta beleza revelada magistralmente através da sua poesia, a vivência d'um amar pungente que ficou fundida no âmago, revivida em lembranças...
Meu abraço caRIOca!