https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

UMA DE JOÃO-SEM-BRAÇO

 
Tags:  lNSÂNIA  
 
UMA DE JOÃO-SEM-BRAÇO

Aqueles que fingem ser quem não são,
acabam se tornando o que nunca foram.

.......................................................

Dei uma de João-sem-braço:
-- "Deus, arracaram-m’o!"...

... ou melhor, tal como o famoso João, escondi-o feito aleijão sob farrapos e me expus à piedade alheia. Mesmo me sentindo o tempo todo um impostor prestes a ser desmascarado, exponho-me como poeta e luto o vão combate da Poesia.

Pessoa, penso eu, até fez um poema a João: O BRAÇO SEM CORPO BRANDINDO UM GLÁDIO. E assim, um braço heroico arrancado, com armadura e tudo, atravessou os sonhos do lisboeta…

Fingidor, à maneira de Pessoa, tornei-me eu um joão, isto é, algum; qualquer um.
Despersonalizei-me na persona do pedinte falso-aleijado-e-pretenso-poeta.

Mas, afinal, o que seria um poeta de verdade? Quem poderia, de facto, arvorar-se poeta?
um tipo formado em letras ou filosofia que já leu tudo e todos?
outro artificial que s'expressa através de frases em estrofes e com rimas, ritmo e métrica?
algum poliglota tradutor traidor reescrevedor?
qualquer que escreva textos em versos e consiga publicá-los?
alguém que, reconhecido pelo mercado editorial ou laureado por academias, se ocupe em ganhar certames?
o performático que declama em pubs escuros?
o sem-noção que se jacta mais sensível que o resto dos mortais?
o empolado que ressuscita línguas mortas?

Quem tem o direito a chamar-se a si de poeta senão um golpista ridículo?

João-sem-Braço... Uma personagem da tacanha capital colonial.
Onde, de janeiro a janeiro, um Rio de ruas compõe-se labirinto urbano...
Isso e milhões de pessoas s'esbarrando, Rio...
Ninguém é o que é: Cariocas do caos!

Afinal, na Cidade Maravilhosa não posso ser, também eu, uma maravilha?

Talvez andasse pelos arcos da Lapa declamando poemas ininteligíveis. O décimo bêbado equilibrista de hoje…

Talvez convencesse, actor sem palco, que minhas misérias merecem atenção do respeitável público…

Talvez bebesse até cair e acordasse sem calças com a cabeça na guia da calçada com o sol d’um sábado de praia m’estraçalhando as ideias em sua realidade extrema.

Os que passam olham para mim e dizem:
"Um merda! Isso vive de linguiça frita e fardos de cerveja barata. Mora n'um barracão de dois cômodos, seu existensminimum…Roda de cêgê-zinha varando a Metrópole de ponta a ponta atrás de freelas de fome!"
o mais, escrever feito um louco e pagar para ser lido em antologias aleatórias. Quando dá na telha, s'embriaga madrugada afora como fosse um profeta do nada: Outro fodido na noite do Rio de Janeiro".

..............................................................

Sim. Sou
 desleixado demais para ter uma mulher;
 distraído demais para ter um filho;
 alternativo demais para ter uma carreira.

Talvez meus severos críticos tenham razão: Vivo tomando porrada na cara e me levantando para tomar mais. Sou patético.

Mas, dou uma de João-sem-braço e de vez em quando faço alguém acreditar que poeto… Parvo que sou, insisto que toda a minha insignificante e solitária existência é, tão-somente, o desconforto necessário para trazer às letras uma frase autêntica de humanidade.

Talvez eu ame demais essa minha vida desgraçada, pedinte de aplausos por versos vãos nas madrugadas cariocas.

Pedinte falso-aleijado sim. Mas poeta!

Betim - 23 10 2021




Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
207
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
3
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
(Namastibet)
Publicado: 23/10/2021 21:31  Atualizado: 24/10/2021 17:43
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1033
 AO JOÃO SEM BAÇO





Open in new window






























Deus é o grande intervalo,
Mas entre quê e quê,
Entre o que digo e o que calo
Existo, quem me vê, não me vê

Entre o que vive e a vida,
Para que lado corre o rio,
Árvore de folhas despida,
Arco da ponte mais velha,

Curvada entre a árvore
e o vê-la, no lado que
Está o sonho estou eu
E o curvado horizonte

Que é meu e só meu,



















FP e um outro