https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

um dia depois do dia

 
Hoje é um dia depois do dia da liberdade. Quase dele me esquecia. Um dia da liberdade é melhor do que o dia de liberdade. Ter o dia de liberdade, não quero. Liberdade é todos os dias. Nada escrevi no dia da liberdade sobre liberdade, ou sobre o dia da liberdade. Como quem só dá valor ao que tem, quando o perde. É tão como o ar, como o Pão, que não. Não consegui dela me lembrar. No Brasil, é liberdade todos os dias. Não têm um, não. Como o dia da Mulher, que só comemora quem tem uma, eu tenho todas, por isso o dia da Mulher é apenas um. E que alegria. Hoje é um dia depois do dia da liberdade. Quase dele me esquecia. Quase.


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
453
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jorge Santos
Publicado: 26/04/2022 18:11  Atualizado: 26/04/2022 18:59
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1964
 FASCISMO NUNCA MAIS


Open in new window



FASCISMO NUNCA MAIS


Open in new window






Almocei ontem com o meu amigo e camarada Vasco Lourenço em Estremoz no regimento de Infantaria, bem lá no alto Otelo estará ainda e talvez nos observando assim como Salgueiro Maia. Extremoz foi local de partida de um dos destacamentos que conduziram à queda do malfadado antigo regime, foi um movimento legítimo e puramente Nacional - nosso, este dia serve para que não esqueçamos as arbitrariedades, as prisões sumárias, os homicídios cegos o desespero, o desencanto dum Portugal Fascista/Salazarista durante quase 50 anos, uma Espanha Franquista e colaboracionista de Hitler, que permitiu e apoiou o louco ataque a Guernika, conduzida por um assassino "nato" que nenhuma "humanitária" NATO/OTAN ou ONU, França ou Inglaterra condenou, antes pelo contrário, usaram-nos em seu benefício e como aliados preferenciais e escudos potenciais contra os ditos Bolcheviques menstruados a vermelho vivo, o odiado perpétuo, (dá que pensar, no dia depois do dia primeiro o que seria de nós hoje ainda e do que havia antes desse dia, do medo em alguém saber ou escutar através das paredes, pois ouvíamos em português a Rádio Moscovo, na calada da noite e em segredo) ... FASCISMO NUNCA MAIS












(sabias que foi controversa a escolha de Grândola Vila Morena para musica do arranque da revolução ou da partida dos quartéis, mais tarde, em privado, contarei ..


















Obrigado