Poemas : 

A minha pele submersa em silêncios

 


Não tenho como soltar dos meus olhos
as amarras de um tempo
pendurado em horas encharcadas de pássaros
e de mar
e de movimento.

Sigo o trilho das gaivotas
que transportam a luz nas nuvens da manhã
mas a noite continua a arder
e o tempo recusa-se a nascer
disperso em esquecimento.

E a minha pele submersa em silêncios
e as palavras desfeitas em infinitos grãos de areia
levados pelo vento
e os dias estilhaçados na mesmice dos espelhos
dormentes
a escorrerem pelo verso
lentamente
em gotinhas de solidão.


 
Autor
idália
Autor
 
Texto
Data
Leituras
148
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
22 pontos
4
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
rosafogo
Publicado: 15/01/2024 07:44  Atualizado: 15/01/2024 07:44
Usuário desde: 28/07/2009
Localidade:
Mensagens: 10484
 Re: A minha pele submersa em silêncios
Muito belo do princípio ao fim!
Sublime! Senti neste poema, o sentimento que enferruja a alma e a esperança, que se vão perdendo velozes na névoa do tempo.

Como é bom ler-te!
Bj.


Enviado por Tópico
Egéria
Publicado: 17/01/2024 10:29  Atualizado: 17/01/2024 10:29
Usuário desde: 28/09/2009
Localidade:
Mensagens: 889
 Re: A minha pele submersa em silêncios
Olá que belo trilho para se percorrer!!
Abraços