Poemas : 

entre a justificação e a desculpa

 
chega de longe as aspas dos olhos
sem presença de tempo
no relógio da parede parado
o sarcasmos do antes jovem
na cãibra do agora morto.

está tudo errado

as marcas da vida do avesso

devia ter nascido velha
e morrer recém.nascida.


" An ye harm none, do what ye will "

 
Autor
HorrorisCausa
 
Texto
Data
Leituras
254
Favoritos
6
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
72 pontos
10
7
6
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
AliceMaya
Publicado: 06/02/2024 08:54  Atualizado: 06/02/2024 08:54
Super Participativo
Usuário desde: 02/02/2024
Localidade:
Mensagens: 166
 Re: entre a justificação e a desculpa p/ HC
Olá HC.

Muito para explorar neste seu texto, tão interessante. Escreve muito bem.

"as aspas dos olhos"
... e logo me vêm à cabeça, aos olhos, as pestanas. Como se o que os nossos olhos dizem fossem citações, coisas de outrora, de outrem.
Em simultâneo, umas cortinas que se fecham. O "agora morto". E que originam o tempo parado, "o relógio de parede parado". . O próprio relógio de parede, um artigo antigo, simbólico do tempo. Que se ausentou ou parou ou se quer do avesso.
Como indiciam os versos finais, qual Benjamin Button. Deveria ser ao contrário para que pudéssemos apagar o que não queremos? Para não errar? Para aproveitar cada momento desta vida enferma e efémera? Há, aliás, aqui um poeta com o "nome" benjamim.

Obrigada pela partilha. Gostei muito. Parabéns.

Abraço Maya

Enviado por Tópico
Aline Lima
Publicado: 06/02/2024 18:49  Atualizado: 06/02/2024 18:49
Usuário desde: 02/04/2012
Localidade: Brasília- Brasil
Mensagens: 597
 Re: entre a justificação e a desculpa para HC
Olá, minha amiga.
Li nas palavras uma poderosa reflexão sobre a passagem do tempo e a complexidade da vida. A imagem das "aspas dos olhos" me trouxe uma sensação de estagnação e desilusão, contribuindo para a profundidade emocional do poema. Esse questionamento sobre o sentido da existência é inquietante. Seu poema é uma expressão poderosa de emoção e reflexão, e tenho certeza de que encontrará eco em muitos corações, assim como encontrou no meu.
Beijos.
Aline.

Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 06/02/2024 19:10  Atualizado: 06/02/2024 19:10
Administrador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 3596
Online!
 Re: entre a justificação e a desculpa
olá.

na tentativa de passar e apenas uma mensagem, fiz este texto:

os nossos velhos

atenciosamente
HC

Enviado por Tópico
Paulo-Galvão
Publicado: 06/02/2024 21:51  Atualizado: 06/02/2024 21:51
Usuário desde: 12/12/2011
Localidade: Lagos
Mensagens: 1176
 Re: entre a justificação e a desculpa p/ horroris
Olá Horroris,

Na minha leitura a primeira estrofe é a apresentação numa forma mais lírica.

A novidade vem depois.

Se pudéssemos inverter a vida as desculpas chegariam sempre em boa hora as justificações seriam bem vindas.

Respeitosamente

Paulo

Enviado por Tópico
Alpha
Publicado: 06/02/2024 23:31  Atualizado: 06/02/2024 23:31
Membro de honra
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 1905
 Re: entre a justificação e a desculpa
Olá, HC

Nesta aparente contradição
Existe sempre uma verdade
Não basta escolhera ocasião
Nem sequer que a vida acabe!

Desordenando as ideias, o aparente “errado”, pode acabar por bater certo...

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 07/02/2024 07:03  Atualizado: 08/02/2024 05:41
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1940
 Re: entre a justificação e a desculpa
Há um Dar meio escondido no título.
Dar uma "...justificação..." ou Dar uma "...desculpa...", é quase um sinónimo.
Se vai dar ao mesmo (entre aspas) significa que o espaço é muitíssimo pequeno, ou nulo.
Ou seja, não há "entre..."

Mas a "...justificação...", em que aJustamos, ou tornamos Justo é também um petisco para os meus miolos. Os justos devem andar apertados, bem limitados e claros. A justiça tem muitas sombras e lados.

A "...desculpa..." também não se atrasa, já que tem um prefixo de negação (o des) e um nome bem giro que me ataca frequentemente, isso da Culpa.
A culpa é em primeiro lugar um sentimento. Uma ligação ao erro e à falha em que o responsável tem um papel. E arrepende-se, sente remorso (outro petisco).
É, depois, uma atribuição social de responsabilidade. Sentença.
Como era bom ser culpado pela paz no mundo.
A culpa é também um polígono.

Isto antes que eu "entre" no corpo do texto.

Os primeiros dois versos situam o poema.
O "...longe..." nota-se que não se mede em quilómetros.
Mas nesse verso, "...as aspas dos olhos..." além da aliteração, colocam os olhos entre aspas. Como se fossem não olhos, ou olhos desusados. Parece uma avaria. Imageticamente submete-me às pestanas, que os protegem, mas é uma sensação que passa depressa.
Acho que os "...olhos..." é que se destacam. E como é fácil de assumir que os olhos e os olhares mudam com o tempo. O que pensamos hoje podemos não pensar Amanhã. Nem é o que pensámos Ontem.

Imagem forte surge no "...relógio de parede parado..." e sorrio pela semelhança nas palavras parado e parede e no engenho que se procurou e conseguiu.
Mas, assim como os olhos são entre aspas, também é o relógio.
Vejamos, um relógio de parede é decorativo, mas dará as horas? As horas serão para serem dadas?
Há quem diga que um relógio parado tem as horas certas duas vezes por dia (se for analógico).

O último verso da primeira estrofe é um pouco mais literal, mas com uma metáfora lá enfiada. Porque "...na cãibra do agora morto..." é uma forma de expressão em pleonasmo, mas sendo que na morte não há mais nada, também não há cãibra (a não ser que cãibra=nada e os filósofos vão voltar a filosofar). Assim reforçado o "... morto..." morreu mesmo.

"...Está tudo errado..."
E lá voltamos ao motivos para "...a desculpa...".

Errar é andar por aí, fazer. Bem e mal.
Somos todos errantes, ou não teríamos nascido.

O último dístico também me submete ao "O estranho caso de Benjamin Button", mas se bem me recordo, o final não é tão glamoroso como no do teu poema.
Era bom nascer a saber o que sabemos na idade da "...velha...". Havia menos lugar para tanto que podíamos ter feito melhor...

Abraço

Enviado por Tópico
Egéria
Publicado: 08/02/2024 14:57  Atualizado: 08/02/2024 14:57
Usuário desde: 28/09/2009
Localidade:
Mensagens: 889
 Re: entre a justificação e a desculpa
Olá como comentar algo tão perfeito!!!!!!!!!!
Abraço

Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 08/02/2024 15:24  Atualizado: 08/02/2024 15:24
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - Brasil
Mensagens: 5735
 Re: entre a justificação e a desculpa
"chega de longe as aspas dos olhos
sem presença de tempo
no relógio da parede parado..."


então os olhos ousaram existir,
o relógio também... e até a parede
e o tempo trouxe as aspas...

o tempo surge com a justificativa
de que veio por culpa das existências.


ousei viajar, HC, por aqui.
viagem arriscada ;)

abraço

Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 09/02/2024 17:35  Atualizado: 09/02/2024 17:35
Administrador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 3596
Online!
 Re: entre a justificação e a desculpa/anatomia de um comentário
Olá
Não sei dizer o quando agradeço as vossas leituras
e comentários. cada um a seu modo, a seu jeito generoso faz . me acreditar que escrever apesar de ser um acto solitário, não tem que permanecer só.

assim assimilo, assim permitem meu crescimento.

Obrigada.

Atenciosamente
HC

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 20/02/2024 00:29  Atualizado: 20/02/2024 00:29
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17960
 Re: entre a justificação e a desculpa
Barbaridade. Descreveu a beleza da morte e nascimento. Um rasgo de beleza (profunda e vasta)
Bjs