Poemas : 

peripécias de um monólogo enviesado

 
.
.
.
do final. quem disse?
dizer ser o fim.
por sinal. nem sempre assim.
é um espécie de embriaguez.
escavada. um estalo de êxtase.
onde a sensação de queda quebrada.
desagua no nada.
sai do acelarador de partículas pelo pé.
em contagem descrente. perde.se a fé.
transportada num catavento alijada.
acaricia uma oliveira, uma tamareira.
suas raizes profundamente sensuais,irracionais.
mesmo assim. há palavras irremediavelmente associadas a mim.
doi tanto quando penso nelas.
definitivamente quando a expiar a culpa que se herda.
aquela termodinâmica que tudo termina.
numa valente merda.

não me lembro de ter nascido.


" An ye harm none, do what ye will "

 
Autor
HorrorisCausa
 
Texto
Data
Leituras
214
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
42 pontos
10
4
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Alemtagus
Publicado: 23/03/2024 11:09  Atualizado: 23/03/2024 11:09
Membro de honra
Usuário desde: 24/12/2006
Localidade: Montemor-o-Novo
Mensagens: 3099
 Re: peripécias de um monólogo enviesado p/ HorrorisCausa
E se, de repente, o mundo parasse? Haveria fim ou apenas um alargamento do horizonte? Revi-me um pouco neste texto... o "descrente"


Enviado por Tópico
AliceMaya
Publicado: 24/03/2024 09:03  Atualizado: 24/03/2024 09:03
Super Participativo
Usuário desde: 02/02/2024
Localidade:
Mensagens: 153
 Re: peripécias de um monólogo enviesado p/ HC
Olá, HC.

Incríveis as coisas que escreves.
Parece que, na tua mão, tudo flui tão naturalmente, como se tudo fosse evidente.
Não é. Tu sabe-lo. Nota-se.
Começas no fim e acabas no princípio.
Ou começas pelo fim e voltas ao princípio? Se não te lembras de ter nascido e, pelo caminho até esse fim, perdeste a fé (alguma vez a tiveste?) e o pé (num acelerador de partículas).
Acaricia-se uma oliveira depois de se ter perdido a fé.
Para a recuperar, lembrar, comer?

Curioso também são alguns dos conceitos aqui usados: acelerador de partículas (concentração de grande energia num volume pequeno) e termodinâmica (simplificando muito, seria o estudo das transferências de energia).
Áreas da Física e da Química, que aqui têm em comum a energia.
Porquê a energia, não necessariamente destas áreas (há tantos tipos de energia), mas a energia capaz de gerar calor, por exemplo? Ou a energia cinética, associada ao movimento; ou a potencial, que é uma espécie de energia armazenada num corpo e que depende da posição que esse corpo ocupa?
Qualquer uma delas, está presente em todo o teu poema.
Aliás, todo ele é energia em estado puro.


"é uma espécie de embriaguez.
escavada. um estalo de êxtase.
onde a sensação de queda quebrada.
desagua no nada.
"

"mesmo assim. há palavras irremediavelmente associadas a mim.
doi tanto quando penso nelas.
definitivamente quando a expiar a culpa que se herda.
aquela termodinâmica que tudo termina.
"


Obrigada.

Abraço Maya!


Enviado por Tópico
ZeSilveiraDoBrasil
Publicado: 24/03/2024 12:13  Atualizado: 24/03/2024 12:13
Administrador
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 1901
 Re: peripécias de um monólogo enviesado
.
.
.
...não é todo texto que nos abduz e nos arrasta por caminhos ermos, inexploráveis, inexplicáveis, domina-nos numa

"espécie de embriaguez.
escavada. um estalo de êxtase.
onde a sensação de queda quebrada.
desagua no nada."


...ou no tudo que nossa imaginação possa alcançar...

...é quando também

há palavras irremediavelmente associadas a mim.
doi tanto quando penso nelas.
definitivamente quando a expiar a culpa que se herda.
aquela termodinâmica que tudo termina.
numa valente merda.


...tão legal quando parte do que se lê adere com perfeição ao que se deseja dizer... grato

Meu abraço caRIOca!


Enviado por Tópico
Aline Lima
Publicado: 27/03/2024 00:30  Atualizado: 11/04/2024 12:41
Usuário desde: 02/04/2012
Localidade: Brasília- Brasil
Mensagens: 591
 Re: peripécias de um monólogo enviesado p/ HC
Querida HC,

Que profundidade e intensidade permeiam os seus versos. Sua habilidade em pintar paisagens emocionais tão vívidas e complexas é verdadeiramente cativante. Sua escrita nos convida a explorar os cantos mais sombrios e luminosos da alma, confrontando-nos com a dualidade da vida e da morte, da esperança e do desespero. É uma experiência poética que ressoa fundo e nos faz questionar e sentir em igual medida. É sempre bom ler você.
Beijos.


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 27/03/2024 03:41  Atualizado: 27/03/2024 03:41
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17908
 Re: peripécias de um monólogo enviesado
Dói até o que não existe. Amo vir aqui e desfrutar do talento e beleza.