Poemas : 

Ao quarto levo, um também

 
Num levo, deixo.

Todo o peso que me cai
nada mais é que massa sem gravidade,
espessa,
que evapora por gosto
e me faz preso se vai,
à idade do chão sem pais e passa
depressa,
enruga, marca e leva o rosto.

Leve, tudo.

Trago
a mim agarrado por todo o meio, pela língua, pelo respirar, ouvidos e olhares,
na memória da pele

incerto se me acompanha,
me respeita

ou se submete...

Num levar, deixo
o resto.


Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra, não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
423
Favoritos
4
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
45 pontos
5
4
4
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Benjamin Pó
Publicado: 28/11/2023 21:54  Atualizado: 28/11/2023 21:54
Administrador
Usuário desde: 02/10/2021
Localidade:
Mensagens: 484
 Re: Ao quarto levo, um também p/ R. Beça
.
Na Idade Média, usava-se o verbo "leixar", que não é, mas bem que poderia ser, uma mistura de levar e deixar, ou seja, a ação de partir com algo que transportamos connosco, mas que também nos prende ao ponto de partida.

Haverá aqui referência ao crescimento, à "idade do chão sem pais"?

Ao abandono amoroso, no "quarto" do título, na "memória da pele", agarrada "pela língua", por "ouvidos e olhares"?

Ao confronto da vida real com a vida da/pela imaginação?

Não sabemos. Apenas sabemos que há um equilíbrio poético nesta balança do leve e do pesado, do "sem gravidade" e do "espesso", que surpreende e fascina.

Abraço, irmão.

Enviado por Tópico
Egéria
Publicado: 29/11/2023 15:01  Atualizado: 29/11/2023 15:01
Usuário desde: 28/09/2009
Localidade:
Mensagens: 934
 Re: Ao quarto levo, um também
Olá,
espectacular, adorei...
Abraço

Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 29/11/2023 20:44  Atualizado: 29/11/2023 20:44
Administrador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 3702
 Re: Ao quarto levo, um também/Rogério Beça
Olá Rogério

Li e reli e de todas as vezes ,submergi no espectro da alma, talvez porque a idealize num quarto, com quatro lados leves, a pairar enquanto no meu quarto deixo.me levar...pelo peso ds matéria porque a sinto ,material,apesar do de" um" imaterial, esse 'um"que sobrevive à morte .
O resto... é ler e reler porque o poema termina mas a alma não.


Atenciosamente
HC

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 17/05/2024 22:38  Atualizado: 17/05/2024 22:38
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18440
 Re: Ao quarto levo, um também
Você conseguiu dar um nó nos sentidos nossos. Gosto imenso do jogo de cintura desse poemão. Pena que acaba… bjs

Enviado por Tópico
Beatrix
Publicado: 28/05/2024 02:18  Atualizado: 28/05/2024 02:19
Super Participativo
Usuário desde: 23/05/2024
Localidade:
Mensagens: 162
 Re: Ao quarto levo, um também / Rogério Beça
-
Olá.

Tudo parece tão leve, de massa, quase oca e, simultaneamente, pesado. Mas não da gravidade. Essa força que leva a deixar cair.

Leve, levar, verbo e adjetivo no mesmo poema, propositadamente. Se há alguém que leve algo de nosso, como não ficar mais leve? E queremos isso? De onde vem essa necessidade?

Queremos que tudo seja leve, e/ou que levem tudo. São bem diferentes, apesar de relacionados.

Mas se
Todo o peso que me cai
(...)
que evapora por gosto
e me faz preso se vai

Ao levar, ficamos leves e presos. Às memória da pele, ao que trazemos agarrados a nós.
Isso não cai, não fica leve, nem se deixa levar.

Só se
Num levar, deixo
o resto.


Extraordinário! Parabéns. Mesmo muito, muito bom.

Beatrix.